MSC

Vale investe R$ 60 milhões em tecnologias inovadoras para as operações ferroviárias e portuárias

<!-- @page { margin: 2cm } P { margin-bottom: 0.21cm } -->

A área de Logística da Vale vai investir em 2010 cerca de R$ 60 milhões no desenvolvimento e aplicação de tecnologias inovadoras em suas ferrovias de carga pesada (heavy haul) - as estradas de ferro Vitória a Minas (EFVM) e Carajás (EFC) - e nos portos. Entre os principais investimentos estão os novos equipamentos para operação de locomotivas por meio de comando remoto e o chamado "helper dinâmico", tecnologia inédita entre as ferrovias brasileiras, que auxilia nas operações em trechos de aclive. "Procuramos buscar o que há de melhor em termos de tecnologia no mercado para modernizar nossas ferrovias e portos e também adaptar tecnologias para a realidade das ferrovias de carga pesada, o que não é típico na indústria", afirma o diretor de Operações Logísticas da Vale, Humberto Freitas.

 

Para realizar a operação remota de locomotivas, dois equipamentos estão em fase de testes na Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM). Eles permitem que o maquinista saia da cabine da locomotiva e faça a manobra, por meio de comando remoto, em uma posição privilegiada, tendo a visão completa da operação. Os testes estão sendo realizados nos pátios de Engenheiro Bandeira (MG) e Ouro Branco (MG), ambos da EFVM. "Os maquinistas conseguem fazer as manobras sem depender da comunicação por rádio com os manobreiros. Ganhamos velocidade no processo, reduzindo o tempo das manobras", explica o Gerente Geral de Inovação e Desenvolvimento Ferroviário, Gustavo Mucci. Até o final do ano, mais dois equipamentos serão testados na mesma ferrovia. O investimento total é de R$ 4,6 milhões.

 


Logcomex


A área de Logística também desenvolveu um sistema de inteligência artificial, que recebe investimentos de R$ 9 milhões, no Terminal Portuário de Ponta da Madeira (MA). O novo sistema permite a todas as máquinas empilhadeiras e recuperadoras - usadas para transferir o minério do pátio para as correias transportadoras, até o navio - operarem de forma remota. O sistema funciona por meio de um software que possibilita o comando a distância das máquinas, a partir do Centro de Controle e Operações do porto. A Vale é a primeira empresa no Brasil e ter um terminal portuário com todas as máquinas de pátio operando em modo remoto.

 

No Centro de Controle e Operação, os operadores dispõem de seu próprio terminal de comando. Desta forma, não precisam se deslocar quando é necessário trocar de máquinas, basta acionarem um comando. O sistema de operação e layout dos terminais é o mesmo adotado em grandes portos europeus, como o de Roterdã, na Holanda. "A partir de câmeras e sensores instalados nas máquinas, conseguimos levar operadores até um ponto distante dos equipamentos, para que tenham visão do pátio como um todo e operem de forma remota", explica Humberto Freitas.

 

Helper dinâmico

 

A Vale é a primeira empresa no país a desenvolver o sistema de "helper dinâmico", locomotiva que se acopla ao trem em movimento, auxiliando nas operações ferroviárias em aclives. Se antes era necessário parar o trem e acoplar uma locomotiva auxiliar antes de seguir viagem, hoje o procedimento é feito com o trem em movimento, por meio da aproximação dinâmica. Estima-se ganho de até 5% no consumo de combustível, já que os momentos de maior consumo são as paradas e frenagens dos trens.

 

O sistema funciona por meio de aproximação dinâmica, ou seja, o alinhamento dos engates é feito por sinal a laser. O helper aguarda a chegada do trem em um pátio de apoio à linha principal. Quando a composição se aproxima, o helper "persegue" o trem na linha, eles sincronizam as velocidades e acontece o engate com o trem em movimento. Como o comando é automático, o maquinista acompanha a operação, ao invés de fazê-la manualmente. "Trata-se de tecnologia de ponta, de um processo muito mais eficiente em termos de energia, e que nos orgulha muito", afirma Humberto Freitas.

 

Simulador de trens

 

A Vale iniciou em março, no Centro de Excelência em Logística (CEL), em Vitória (ES), os testes com o mais moderno simulador de trens do mundo, desenvolvido em parceria com a Escola Politécnica da USP.

 

O equipamento possibilita a reprodução fiel das malhas ferroviárias da Vale em tecnologia 3D e recebeu investimentos da ordem de R$ 2,5 milhões. O objetivo é treinar maquinistas com uma tecnologia de ponta totalmente brasileira, que resultará em mais segurança nas operações, economia de combustível e redução de desgaste das locomotivas e vagões.

 

O simulador de realidade virtual vai reproduzir as malhas das estradas de ferro Vitória a Minas (EFVM), Carajás (EFC), Norte Sul (FNS) e Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) que, juntas, somam mais de 10 mil quilômetros de linha. A imagem produzida em 3D é capaz de mostrar o comportamento do trem, ao longo de todo o trajeto de uma ferrovia, sob diferentes condições climáticas, como sol, neblina e chuva. Por meio de um sistema de georreferenciamento, o simulador também pode criar diferentes malhas ferroviárias, que não existem, e projetar situações de risco como, por exemplo, animais cruzando a linha do trem durante a noite.

 

O simulador tem funcionalidades inovadoras, como a leitura de dados georreferenciados (latitude e longitude) que permite determinar, por meio da visão em 3D, todas as características topográficas do relevo da malha ferroviária, como curvas acentuadas e desníveis. "O software será instalado em cabines de treinamento, que são a reprodução de uma cabine de locomotiva modelo Dash 9, e simulará os trens em movimento", explica Gustavo Mucci, gerente geral de Inovação e Desenvolvimento Ferroviário. O simulador considera também, em um ambiente de realidade virtual, todas as características de um trem, como aderência da roda ao trilho, eficiência da frenagem, de tração e do freio dinâmico, tempo de percurso, consumo de combustível e procedimentos de segurança. "Os maquinistas estarão expostos a situações reais de operação", completa Mucci.

 

Nos últimos oito anos, a Vale investiu R$ 9,5 milhões em tecnologia de simuladores e, em 2010, deve investir mais R$ 1 milhão no aperfeiçoamento dos módulos do novo simulador. A previsão é de que, a partir do segundo semestre deste ano, sejam instaladas cerca de 24 cabines de treinamento no Centro de Excelência em Logística (CEL), em Vitória (ES), em São Luís (MA) e também ao longo da FCA, em unidades móveis de treinamento da Valer, a área de educação da Vale. Cerca de 540 maquinistas serão treinados ainda este ano.

 

A tecnologia utilizada no simulador permite que a supervisão do treinamento seja via internet, ou seja, um supervisor pode controlar, simultaneamente, mais de uma área de treinamento em local remoto.

 

Da Redação

    Terlogs     Mampaey     AAPA
             

Tche Digital

 

 

HPP

 

  Sinaval   Assine Portos e Navios