Bimco

Secretaria do Pará recebe plano de ação para porto em Barcarena

A Secretaria do Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará (Semas) informou que recebeu da Companhia Docas do Pará (CDP) o plano de ação para lidar com o naufrágio de um navio com 5 mil bois no Porto de Vila do Conde, em Barcarena (PA), ocorrido no dia 6 de outubro. A Semas também recebeu da empresa o plano de contingenciamento para o caso de futuros acidentes com cargas vivas no terminal. Os dois documentos foram elaborados em parceria com a Minerva Foods, dona dos bois que seriam exportados para a Venezuela, e são considerados pré-requisito para a liberação do embarque de animais vivos em Vila do Conde. Em nota, a Semas informa que recebeu os planos na última semana, mas que ainda estão em fase de análise.

Esta é a segunda vez que as empresas entregam os relatórios técnicos à secretaria. A proposta apresentada em outubro não havia sido acatada, pois a Semas disse esperar um "plano de ação conclusivo" das partes e uma "solução ambiental viável" para a liberação dos embarques no porto. A maior parte da exportação nacional de gado em pé era feita por Barcarena, mas a licença para tal operação foi revogada após o naufrágio do navio Haidar, de bandeira libanesa. Anteriormente, a mesma licença havia sido concedida pela Semas sem que houvesse um plano de contingenciamento. Segundo a CDP, o Porto de Vila do Conde está operacionalmente apto a prosseguir com os embarques, embora o resgate do Haidar esteja em andamento.

A Semas afirma que reconhece a "importância fundamental que a atividade pecuária tem para a economia do Estado" e que se reuniu com representantes do Ministério Público Federal (MPF) e do Ministério Público do Estado do Pará (MPPA) para buscar soluções emergenciais que assegurem os embarques. A apresentação e aprovação dos planos, porém, é tida como essencial. Segundo a secretaria, quase 30 mil bois vivos continuam estocados em pontos de apoio de embarque, tendo como destino de saída o Porto de Vila do Conde.

Nesta semana, a Minerva reiterou que continua em busca de alternativas ao terminal para garantir a continuidade de suas vendas externas, mas a companhia não entrou em detalhes sobre as opções, que incluiriam o Porto de Itaqui (MA). A companhia é líder na exportação de bois vivos no país.

No que se refere às consequências do naufrágio, a Semas afirma que todas as carcaças bovinas que escaparam às barreiras de contenção e foram parar em praias turísticas da região já foram removidas. A retirada das 700 toneladas de óleo da embarcação está em andamento, mas restam mais de 4 mil carcaças bovinas dentro do navio, ainda submerso.

Fonte: Canal Rural

Comentários

 

 

Reportagens da edição 702

Presença a bordo

08 Jul 2019 18:07 Navegação

Empresas pedem manutenção das vagas na formação para não faltar marítimos. Sindicato cobra equilíbrio entre oferta e demanda • O mercado de navegação no Brasil apresenta oferta de marítimos superior à...

Legal Seminar

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

Considerado o mais importante mercado “offshore” fora do Mar do Norte, o Brasil também atraiu a atenção de armadores noruegueses em evento paralelo • A primeira apresentação deu uma visão das...

Mercado de gás

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

As oportunidades no setor de gás no Brasil também foram debatidas no evento.  A superintendente de Oléo e Gás do estado do Rio de Janeiro, Cristina Pinho, deu um quadro...

Brasil na Nor-Shipping

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

Pela terceira vez o Brasil promove um seminário durante o evento • Se neste ano o clima do evento em geral já era mais leve que nas edições anteriores, no caso...

Cash Computadores

Assine Portos e Navios

Consórcio Águas Azuis

Tche Digital

Seminário de Metanol

Aapa

Abeam

Sobena

Sinaval Abratec