Santos Brasil pode crescer mais do que prevê, diz Ativa

Média mensal movimentada até maio foi, aproximadamente, 17% superior à do no mesmo período em 2009
Terminal Santos Brasil no Porto de Santos: A empresa capacidade ociosa nesse porto de 40% no cais e de 50% em armazenagem
São Paulo - A Santos-Brasil, prestadora de serviços de operação portuária e logística, projeta um crescimento de 13,5% em volume movimentado em 2010 - atingindo 819.000 unidades. Mas ela pode crescer mais, segundo relatório do analista Artur Delorme da corretora Ativa. A média mensal movimentada nos cinco primeiros meses de 2010 foi, aproximadamente, 17% maior que a do mesmo período em 2009.
No primeiro trimestre de 2010, o volume de contêiner movimentado pela empresa cresceu 13,1% em relação ao mesmo período de 2009. No mês de maio, o volume movimentado foi recorde, segundo a Ativa. Isso leva a corretora a acreditar que o crescimento em 2010 será superior à projeção de 13,5%.
Pela sazonalidade do setor, o que se espera é que o volume cresça gradualmente no decorrer do ano, sendo o pico no terceiro trimestre, quando poderão ser movimentados volumes acima de 85.000 contêineres por mês. "Acreditamos que o guidance inicial de 13,5% seja superado com certa tranqüilidade em 2010", informou a Ativa em relatório.
A Santos Brasil ainda não atingiu a margem de ebitda (geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) que havia previsto para 2010 (34%) - no primeiro trimestre de 2010, a margem foi de 32,8%. Mas a Ativa acredita que isso vai se reverter, "dado o cenário atual de crescimento do volume acima do esperado", afirmou em relatório. Além disso, a importação está saindo da média de 47% em 2009 para representar 55% em 2010, o que também contribui para o ganho de margem da companhia, segundo a Ativa.
A empresa não pretende realizar nenhum reajuste de preço em 2010, "tendo em vista o atual momento de crise em que se encontram os principais armadores", segundo a análise. Em 2011, o reajuste será referenciado no mínimo da inflação acumulada dos últimos dois anos. Atualmente, o preço médio por contêiner é de cerca de 500 reais.

Fonte: EXAME.com/Beatriz Olivon


Marintec Navalshore