Ecobrasil 2019

Regionalização da gestão do Porto de Santos está na pauta de deputados da região

A regionalização da gestão do Porto de Santos e os projetos de revitalização de áreas portuárias no Centro Histórico da Cidade estão na pauta dos dois deputados federais eleitos pela Baixada Santista. Rosana Valle (PSB) e Junior Bozzella (PSL) têm como prioridade as discussões sobre o cais santista nos próximos quatro anos na capital federal.

“Além da questão regional, vale destacar a importância do Porto de Santos para a balança comercial, a importância para a economia do País. É, de fato, uma agenda nacional”, destacou Bozzella, que já iniciou uma série de discussões sobre o processo de regionalização da gestão do cais santista.

Mais um passo nesta direção foi dado em uma reunião com o governador João Doria, na Capital. No encontro, foi destacada a importância de uma gestão regional, dividida entre os municípios portuários, o Estado e a União. 

O problema é que este plano vai contra as recentes declarações de Doria sobre a necessidade de privatizar o cais santista. “Privatização não traz um modelo prático e eficiente. É preciso pontuar que países que optaram por ela estão voltando atrás”, afirmou Bozzella. 

Para Rosana Valle, a descentralização da gestão portuária é uma de suas metas. “Em 15 anos de visitas a portos estrangeiros no Santos Export (Fórum Internacional para a Expansão do Porto de Santos), não vimos nenhum modelo de administração de porto feito totalmente no governo central. A gente precisa discutir esse assunto com empresários, trabalhadores e toda a sociedade”. 

Publicidade
Catálogo da Indústria Marítima

Segundo Bozzella, conversas preliminares já foram iniciadas após contato com representantes de entidades que representam operadores portuários do cais santista com foco na regionalização da gestão. Em seguida, foi procurado o ministro da Economia, Paulo Guedes. 

Com uma visão liberal, líder da equipe econômica do Governo também defende as privatizações e já anunciou uma redução do número de estatais federais, o que preocupou trabalhadores da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), a empresa que administra o cais santista. 

Já o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, é a favor da descentralização da gestão e de aumentar as atribuições das autoridades portuárias. Segundo Bozzella, Freitas concordou com suas argumentações e deu sinal verde para a articulações neste processo. 

Bozzella, então, iniciou conversas com prefeitos da Baixada Santista, como o de Santos, Paulo Alexandre Barbosa, e de Guarujá, Válter Suman. Os dois devem assinar o mesmo documento que será encaminhado ao governador, para pedir a regionalização do cais santista. 

Também está prevista a criação de uma frente parlamentar mista, com a participação de deputados e senadores que discutirão a questão. 

Indicações políticas

Rosana Valle também levanta a bandeira do fim das indicações políticas na diretoria da Codesp. “Não podemos ficar reféns do toma lá, dá cá dos interesses partidários no nosso Porto”. 

A deputada ainda aponta a necessidade de valorizar o Conselho de Autoridade Portuária (CAP). “Nos últimos anos do governo do PT e com a Lei dos Portos, foi retirada ainda mais a autoridade dos conselhos. Isso inviabiliza projetos e investimentos de longo prazo”. 

Área do Valongo também é prioridade

O plano de revitalizar a região do Valongo, na Margem Direita do Porto de Santos, também está na pauta de discussões do novo deputado federal. Procurado pelo promotor de Justiça de Urbanismo e Meio Ambiente do Ministério Público Estadual (MPE) em Santos, Daury de Paula Júnior, Júnior Bozzella pretende destravar esse processo.

Para isso, deve marcar uma audiência com o próximo diretor-presidente da Codesp, que ainda não foi empossado – o engenheiro Casemiro Tércio Carvalho já foi indicado para o cargo e deve ser oficializado nas próximas semanas. 

A ideia de Bozzella é discutir com Carvalho o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), para a revitalização dos armazéns 1 ao 4 e a demolição dos galpões 5 ao 8, no Valongo. 

Apesar do documento ter sido assinado em abril do ano passado, os imóveis ainda aguardam serem recuperados. E este atraso, segundo o deputado, vem gerando uma multa, a ser paga pela Autoridade Portuária. 

Segundo o TAC, o material retirado dos galpões demolidos será utilizado nas áreas a serem revitalizadas. “Vamos lutar o quanto antes para que essa seja a bandeira da nova direção”, afirmou Bozzella, que visa garantir o apoio do ex-deputado federal e ex-prefeito de Santos, João Paulo Papa (PSDB) nesse processo. 

A deputada federal Rosana Valle também defende a retomada das discussões sobre a revitalização de armazéns históricos do Porto de Santos. Para ela, os projetos, que vêm sendo discutidos há cerca de uma década, devem ser atualizados.

A parlamentar cita a experiência do Porto Digital, em Recife (PE), considerado um dos principais parques tecnológicos do País. A região, antes degradada e de pouca importância para a economia local, passou por intervenções urbanísticas, imobiliárias e de recuperação do patrimônio histórico. 

Desde a fundação do Porto Digital, já foram restaurados mais de 84 mil metros quadrados de imóveis históricos em toda a extensão territorial do parque tecnológico, que tem 171 hectares. 

“Hoje, já são mais de 300 empresas instaladas, com 9 mil pessoas trabalhando. É um projeto de referência para o Brasil e de revitalização do Valongo, que se fala há mais de dez anos”. 

Fonte: A Tribuna

Comentários

Cash Computadores

Messe Munchen
Consulado Geral dos Paises Baixos
Consórcio Águas Azuis

ABTP

Brasil Offshore

Tche Digital

TMSA

Assine Portos e Navios

Porto do Itaqui

Sobena

Fenavega Abratec

 

Bombando

Error: No articles to display