Receita Federal muda norma sobre responsabilidade pela carga

A Receita Federal mudou a regra sobre a responsabilidade pelas cargas durante seu trânsito. O Redex (Recinto Especial para DespachoAduaneiro de Exportação) é o responsável pelo monitoramento das mercadorias após o desembaraço até o terminal onde será realizado o embarque. Ele ainda deve informar eventuais problemas durante o transporte de contêineres até as instalações portuárias.

A norma está descrita na Portarianº 127 da Alfândega do Porto de Santos, com data do último dia 7 e publicada na ediçãode desta terça-feira (14) do Diário Oficial da União. Segundo o órgão, o objetivo é dar maior clareza às responsabilidades dos intervenientes envolvidos na atividade portuária.

A portaria diz que “a carga de exportação, após o desembaraço e até sua entrega ao operador portuário para embarque, fica sob a responsabilidade do administrador do recinto aduaneiro de despacho”. Isto significa que o Redex é o responsável pelo monitoramento da mercadoria entre a zona retroportuária e o cais.

Publicidade
Catálogo da Indústria Marítima

 

O transporte da carga deve ser feito em veículo rastreado, que permita identificar, sempre que requisitado, a rota adotada no percurso entre o recinto e o operador portuário. Também poderá ser utilizada tecnologia de lacre eletrônico que garanta a inviolabilidade da mercadoria do recinto de origem ao destino.

A norma ainda especifica o canal de comunicação para a informaçãode ocorrências, como a chegada do veículo após o tempo esperado, o desvio de rota e a troca de motorista. Esses relatos devem ser encaminhados através do e-mail ocorrenciats.alfsts.sp@rfb.gov.br.

Para o diretor-executivo da Associação Brasileira dos Terminais Retroportuários e das Empresas Transportadoras de Contêineres (ABTTC), Wagner Rodrigo Cruz de Souza, as instalações alfandegadas retroportuárias já estavam adequados à norma da Receita Federal. “Os Redex já obedeciam essa regra e tinham responsabilidade sobre as cargas. O que mudou foi a redação, que definiu a forma de comunicar as ocorrências”, explicou.

Dúvida eliminada

Segundo o presidente do Sindicato dos Despachantes Aduaneiros de Santos e Região (SDAS), Nívio Peres dos Santos, a nova portaria acaba com uma dúvida que dividia opiniões no setor portuário. “O Redex recebe, estufa e, muitas vezes, o despachante libera a carga lá dentro. Ocorre que, no trânsito até o Porto, não estava certo de quem era a responsabilidade, se era da transportadora, do Redex ou do terminal. Agora, a Receita normatizou a questão”, afirmou.

Fonte: A Tribuna

 

Comentários

 

 

Reportagens da edição 702

Presença a bordo

08 Jul 2019 18:07 Navegação

Empresas pedem manutenção das vagas na formação para não faltar marítimos. Sindicato cobra equilíbrio entre oferta e demanda • O mercado de navegação no Brasil apresenta oferta de marítimos superior à...

Legal Seminar

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

Considerado o mais importante mercado “offshore” fora do Mar do Norte, o Brasil também atraiu a atenção de armadores noruegueses em evento paralelo • A primeira apresentação deu uma visão das...

Mercado de gás

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

As oportunidades no setor de gás no Brasil também foram debatidas no evento.  A superintendente de Oléo e Gás do estado do Rio de Janeiro, Cristina Pinho, deu um quadro...

Brasil na Nor-Shipping

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

Pela terceira vez o Brasil promove um seminário durante o evento • Se neste ano o clima do evento em geral já era mais leve que nas edições anteriores, no caso...

Leia mais reportagens da edição impressa

Cash Computadores

Kincaid

Consórcio Águas Azuis

Container Institute

Envie uma pauta

Tche Digital

Assine Portos e Navios

Aapa

ABTP

Sinaval

Fenavega Abratec