Portonave, depois da tempestade

Abalado pelas enchentes em 2008, porto catarinense volta a expandir a movimentação e planeja ampliação em 2011

Há exatos dois anos chegava ao Portonave, terminal de contêineres, o primeiro navio comercial. Localizado em Navegantes (SC), no complexo portuário do Rio Itajaí-Açu, o terminal deve movimentar esse ano 400 mil TEUs (unidade referente a contêiner de 20 pés), número que deve passar de 500 mil em 2010. "Nesses 2 anos, movimentamos um total de 510 mil TEUs. É um resultado expressivo para um terminal novo, que teve percalços", avalia Osmari de Castilho Ribas, diretor-superintendente administrativo da Portonave.

O Portonave é resultado do investimento privado de R$ 429 milhões feitos pela Triunfo Participações e pelo Backmoon Investments Inc., fundo europeu de investimentos. O valor foi aplicado na construção do terminal com 900 metros de calado e três berços de atracação. Além da aquisição de equipamentos. "Planejamos uma ampliação para 2011 ou 2012, com a construção de um novo berço e aquisição de novos equipamentos", destaca Ribas.

Nesses dois anos, os resultados positivos não foram uma constante. Com apenas um ano e meio de vida, o Portonave precisou enfrentar as chuvas que assolaram o estado catarinense. "O terminal resistiu bravamente e não teve abalos na infra-estrutura. Mas o canal sofreu um assoreamento que reduziu a profundidade de 11 metros para 7 metros". Ribas lembra que isso impossibilitou o transito de navios de contêineres. Em outubro de 2008 foram recebidas 44 embarcações e movimentados 22 mil contêineres. Em dezembro do ano passado, apenas 12 embarcações chegaram ao Portonave, movimentando 2 mil contêineres.

Em 2009, a profundidade foi recuperada para 10,5 metros. "A expectativa é que seja feito um aprofundamento para 14 metros. Um estudo de viabilidade já foi realizado e deve receber recursos do Programa Nacional de Dragagem", destaca. Isso permitirá que navios de maior capacidade de transporte de contêineres cheguem até o Portonave. O terminal registra uma média de faturamento mensal de R$ 14 milhões. "Queremos nos manter competitivos frente aos demais portos da região", destaca Ribas. O porto de Imbituba (SC) movimenta atualmente 400 mil TEUs/ano, o de São Francisco (SC) 300 mil TEUs/ano. Rio Grande (RS), que movimenta 1,1 milhão TEUs/ano e Paranaguá (PR), com capacidade para 800 mil TEUs/ano, são os maiores da região Sul.

O Portonave também é gestor do Iceport - Terminais Frigoríficos de Navegantes. O terminal frigorífico tem capacidade para movimentar 18 mil toneladas e cerca de 16 mil posições. "A câmara frigorífica já está habilitada e isso nos permite integrar a carga frigorífica com o terminal", afirma. (Fonte: Por: Grasiela Duarte / Redação de AMANHÃ)