Workshop Tomada de decisão - investimento em portos

Porto do Açu quer atrair empreendimentos ligados ao gás natural

O Porto do Açu, em São João da Barra, no Norte fluminense, quer se transformar num futuro hub de gás natural, que será produzido nos campos do pré-sal na Bacia de Santos.  Com este fim, o porto  já está estudando a viabilidade de projetos, sempre em parcerias com terceiros, em busca de soluções para a utilização dos elevados volumes de gás natural que serão produzidos nos campos do pré-sal a partir da próxima década. 

A informação foi dada nesta terça-feira pelo diretor-presidente da Prumo Logística, que opera o Porto do Açu, José Magela,  ao destacar que o aproveitamento do gás natural é um dos projetos importantes do grupo. Com a frustração de uma série de projetos para o entorno do porto, criado pelo empresário Eike Batista (que não está mais no controle da empresa), uma das novas vocações em busca pelo empreendimento pode ser o escoamento do gás natural da produção de petróleo na costa.

- Nossa ideia no Porto do Açu é dar uma solução de utilização para esse gás, para que o produtor lá não se preocupe com o que fazer. Nós vamos  dar essa solução para ele -  destacou Magela, ao explicar que entre as soluções está o seu uso nas termelétricas  para geração de energia,  e substituir o gás importado, o GNL.

Publicidade
Catálogo da Indústria Marítima

 

De acordo com o executivo, outro projeto para aproveitamento futuro do gás natural que será produzido nos campos do pré-sal na Bacia de Santos é injetar esse gás na rede de gasodutos já existentes, uma vez que o Porto do Açu está a cerca de 40 quilômetros do Gasene, uma rede de gasodutos da Petrobras que fornece gás natural para distribuidoras de vários estados, como o Rio de Janeiro e São Paulo.

- O que era um problema para o produtor de petróleo e gás, nós vamos ser a solução. Nos  próximos dez anos  vamos ter gás suficiente  no complexo do Açu para que possamos ter petroquímica, fertilizantes, entre outros projetos - destacou destacou Magela.

Segundo ele, a Prumo costuma desenvolver projetos e buscar sócios estratégicos para o seu desenvolvimento. Mas o executivo destacou que, no momento, todos os projetos estão ainda em fase de conversas. Magela destaca que os planos do Porto do Açu para o próximo ano é continuar seus vários projetos na melhoria da logística portuária, principalmente para a indústria de óleo e gás, que terá, além do terminal já em operação, uma área para armazenamento de petróleo para exportação.

A primeira térmica a gás na área do porto, a GNAI, já está com as obras aceleradas. No próximo ano, devem ter início as obras da segunda térmica. Os dois projetos são da Gas Natural Açu (GNA), subsidiária da Prumo Logística junto com outros sócios.  Ao todo, os investimentos nas duas térmicas são de R$ 8,2 bilhões até 2023.

A geração total das duas térmicas será de 3 mil megawatts (MW). Atualmente, a empresa conta com 1.700 trabalhadores na construção da GNAI, de 1,3 MW.

O executivo destacou ainda que o grupo ficará atento aos próximos leilões de energia, considerando que ainda tem 3.400 MW já licenciados para desenvolver projetos.  As duas primeiras térmicas usarão gás natural importado, o GNL, mas Magela, deixou claro a possibilidade  de algum projeto futuro já contemplar o uso do gás do pré-sal.

Fonte: O Globo

Comentários

Cash Computadores

Assine Portos e Navios

Consórcio Águas Azuis

Brasil Offshore

Tche Digital

Assine Portos e Navios

Aapa

ABTP

Ricardo Sudaiha

Fenavega Abratec