Olhar parisiense no Porto do Rio

Consultores do Ateliê Parisiense de Urbanismo (Apur) realizarão missões técnicas ao Rio de Janeiro visando a revitalização do centro urbano das áreas do entorno da Zona Portuária (Gamboa, Santo Cristo e Saúde), de São Cristóvão, da Leopoldina e do Maracanã. As visitas são parte do acordo assinado pelos prefeitos do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, e de Paris, Bertrand Delanoë, na noite de terça-feira no Palácio da Cidade, em Botafogo.

A nova parceria entre as cidades terá duração de dois anos. O Ateliê Parisiense de Urbanismo e o Instituto Pereira Passos já haviam trabalhado juntos, durante a gestão César Maia, na elaboração de estudos de requalificação urbana para a região central do Rio de Janeiro, que gerou a base do projeto de revitalização da zona portuária.

"Paris é uma cidade que tem história muito grande no urbanismo, na arquitetura e no planejamento adequado de seu desenvolvimento urbano, por isso, é uma cidade tão agradável, que tem experiência nessas grandes transformações urbanas. A região portuária e seu entorno é, sem dúvida, a área mais europeia da nossa cidade. Resgatar essa região, com uma inspiração parisiense com ajuda da prefeitura de Paris é, sem dúvida nenhuma, a oportunidade de fazer algo bem feito", disse o prefeito do Rio.

Paes afirmou também que enviará para Paris os gerentes de órgãos como Rioluz, Comlurb, Tapa-Buraco, Parques e Jardins, para que aprendam rotinas e práticas administrativas parisienses. "O Rio tem uma prática de conservação da cidade muito ruim. Infelizmente o município está muito mal cuidado. Não é um problema só de recursos, é na cultura da administração pública".

Bertrand Delanoë, que recebeu o título de cidadão carioca, disse no evento que será um prazer ajudar o Rio a se transformar para as Olimpíadas e que torceu para que a cidade fosse a escolhida para sediar os Jogos. "Começamos a trabalhar juntos desde 2004 e temos interesse em nos influenciar uns nos outros, em compartilhar know how. Todas as cidades se transformam. Os Jogos Olímpicos de 2016 são um grande incentivador para a revitalização desses bairros abandonados, que são o coração do Rio", disse Delanoë.

medidas. O acordo prevê que a cidade de Paris oferecer consultores parisienses para participação em missões técnicas ao Rio de Janeiro de acordo com as questões prioritárias e necessárias para o município e com as possibilidades da capital francesa. Ela irá arcar com os custos das passagens de seus consultores e de hospedagem dos integrantes da equipe brasileira de estudos do projeto de cooperação durante as missões à Paris. Ao mesmo tempo, o Rio arcará com as passagens dos próprios técnicos e da hospedagem dos consultores franceses.

Com a parceria, espera-se otimizar a eficácia de ações de revitalização do centro urbano da capital fluminense. Há a previsão também de gerar moradias, através da reabilitação de imóveis degradados e de construção de novos imóveis, e promoção do desenvolvimento sócio-econômico e territorial das localidades Quinta da Boa Vista, Maracanã e Estação da Leopoldina. A Caixa Econômica Federal se comprometeu em desenvolver estudos de linhas de crédito destinados à reabilitação urbana dessas áreas. Já o Ministério das Cidades, irá articular a obtenção de financiamentos de parceiros nacionais e internacionais para as operações.

histórico. O Ateliê Parisiense de Urbanismo, ou Agência de Planejamento da Cidade de Paris, foi criado em 1967 para orientar as políticas urbanas e preparar projetos para a área urbana de Paris. Para isso, a Apur observa e analisa as evoluções demográficas, econômicas e sociais de Paris e de outras grandes cidades. A parceria entre Rio e Paris está dentro do âmbito da assistência técnica fornecida pela Apur à outros países.

Segundo o site do Ateliê, essas intervenções permitem a Agência compartilhar seu know how em desenvolvimento urbano, organização do sistema de transportes e criação de bancos de dados e informação gráfica para administração e planejamento urbano. De acordo com os franceses, esse tipo atividade internacional permite a eles aprender com as experiências de outras localidades, o que gera impacto positivo para a Apur, e, consquentemente, a cidade de Paris.

O evento teve a presença do embaixador da França no Brasil, Antoine Pouillieute, o Cônsul-Geral da França no Rio, Hugues Goisbault, do diretor do Ateliê Parisiense Urbanismo, Francis Rol-Tanguy, da secretária de Turismo, Esporte e Lazer do Estado, Márcia Lins (que representou o governador Sérgio Cabral), e da superintendente regional da Caixa Econômica Federal, Nelma Tavares, entre outras autoridades.(Fonte: Jornal do Commercio/RJ/CHICO BARBOSA)