A Odebrecht Transport e a Camargo Corrêa Construções tiveram aprovada sem restrições pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) operação de venda de suas fatias na Logum Logística, empresa responsável por um sistema de transporte de etanol, segundo despacho do órgão antitruste no Diário Oficial da União desta quarta-feira (3).

Petrobras e sócias criam Lógum, empresa de logística para etanol

Pelo negócio, Raízen, Copersucar e a estatal Petrobras, que já são sócias da Logum, vão adquirir na íntegra a participação da Odebrecht Transport e da Camargo Corrêa na companhia, de 20,77% e 10%, respectivamente, informou o Cade, sem divulgar valores envolvidos.

 

Com a transação, Petrobras, Raízen e Copersucar passarão a deter 30% cada uma na Logum, que ainda tem como sócia a Uniduto Logística, com 10%.

Criada em 2011, a Logum construiu um sistema logístico de etanol envolvendo dutos.

"Do ponto de vista dos vendedores, a operação é de grande interesse e relevância, tendo em vista que, com a configuração societária atual, a Logum não tem perspectiva de obtenção de financiamento de longo prazo para implantação de seu projeto de expansão. Por isso, seriam necessários aportes dos acionistas... o que poderia acarretar na descontinuidade do projeto", apontou o Cade ao analisar a operação.

O órgão de defesa da concorrência defendeu em parecer que as atividades da Logum estão sob regulação da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e que o negócio envolvendo as sócias da empresa "não enseja preocupações".

"As participações de mercado das requerentes são inferiores ao mínimo necessário para que se possa presumir possibilidade de fechamento de mercado (30%), tanto no mercado à montante de produção de etanol quanto no mercado à jusante de logística de transporte multimodal de etanol", analisou o Cade.

Fonte: G1

Comentários


Schottel

Assine Portos e Navios



Syndarma

ABTP

Antaq

TMSA

Assine Portos e Navios

Abeam

Sobena

Terra Firma Abratec