Novo ciclo de investimentos

Melhorias em empresas de Itajaí, Navegantes e Imbituba prometem um salto logístico em 2010
O setor portuário de Santa Catarina se prepara para um salto logístico em 2010. Novos investimentos devem garantir mais agilidade e maior volume de cargas movimentadas pelos terminais do Estado.
A Portonave e o Porto de Itajaí, que operam no Rio Itajaí-Açu, comemoram a dragagem do canal, enquanto a Santos Brasil investe pesado no Porto de Imbituba para receber navios gigantes. Os terminais catarinenses, presentes com estandes na 16ª Intermodal South America, maior feira da área de logística e transportes de cargas da América Latina, realizada em São Paulo, na semana passada, puderam mostrar seu potencial para os maiores armadores internacionais, conquistar novos clientes e fechar negócios importantes. A feira, que registrou 45 mil visitantes, teve mais de 500 expositores. Os estandes do Porto de Itajaí e Portonave ficaram de frente um para o outro, exatamente como operam, um de cada lado da margem do Rio Itajaí-Açu. Os dois comemoraram o anúncio do ministro da Secretaria Especial de Portos (SEP), Pedro Brito, que lançou edital para dragagem dos 14 metros de calado.
– As propostas serão entregues até abril e a contratação deve ocorrer ainda este ano. Isso é importante porque depois das enchentes, ainda operamos com limitações, os navios não saem cheios e precisamos contar com as marés para as manobras – afirma o diretor superintendente da Portonave, Osmari de Castilho Ribas.
Durante a feira, a Portonave mostrou os indicadores positivos que conquistou este ano, como a marca recorde em março, quando foram movimentados 54 mil TEUs (unidade de medida de transporte marítimo), o melhor mês desde o início das suas operações, em outubro de 2007. Em fevereiro, a empresa atingiu a marca dos mil navios atracados, 27 meses após o início das operações.
O Porto de Itajaí volta a operar com capacidade total este ano, segundo o diretor comercial, Robert Grantham, depois de investimentos de R$ 350 milhões para recuperação dos estragos da enchente de 2008. As obras, diz ele, estão aceleradas. O berço 1 será liberado no final de maio, e o berço 2 deve estar pronto em agosto.
– Mesmo com a crise econômica e as limitações, já recuperamos os níveis de operação de antes da enchente e voltamos a ocupar a segundo lugar do país em movimentação de contêineres – avalia.
O porto ainda deve receber o aporte de R$ 14 milhões para obras de realocação e reforço dos molhes. Para 2011, a Secretaria Especial de Portos incluiu R$ 145 milhões.
* Repórter viajou a convite da Portonave

Fonte: Diário Catarinense/simone.kafruni