Mucuripe passa a ter maior capacidade

Cerca de 35 mil metros cúbicos de pedras devem ser retirados até o fim da intervenção, elevando de 10 para 11,5 metros a profundidade no berço 103. O setor de trigo, o principal entre os graneis sólidos no Mucuripe, será beneficiado com menores custos
A obra de derrocagem no Porto do Mucuripe, em Fortaleza, será finalizada em um prazo de 15 a 20 dias. O anúncio foi feito, na tarde de ontem, pelo presidente da Companhia Docas do Ceará (CDC), Paulo André Holanda.
Esta intervenção consiste em retirar pedras do fundo do mar, no berço 103 do porto, e elevar a sua profundidade, permitindo a movimentação de navios de maior calado.
O berço 103 é usado para graneis sólidos, principalmente o setor de trigo. De acordo ainda com Paulo André, este é o segundo maior índice de movimentação no Mucuripe - atrás somente dos graneis líquidos. O trigo é oriundo do Canadá e da Argentina.
A possibilidade de atracar navios maiores deve reduzir os custos para o setor e, consequentemente, para o consumidor. “A tendência é essa: se baixa o frete, os empresários devem ter um certo cuidado em passar isso para o consumir”, detalhou.
A derrocagem no Porto do Mucuripe havia sido iniciada em março último, com prazo para conclusão em 10 meses, mas deve terminar com cronograma recorde. O investimento foi em torno de R$ 7 milhões. A obra teve como executora a Bandeirantes Dragagem.
Foram retirados no fundo do mar cerca de 35 mil metros cúbicos de pedra. A profundidade passou de 10 para 11,5 metros. Os sedimentos serão despejados no fundo do mar, em duas áreas previamente escolhidas na concessão de licença ambiental.
Recorde
Paulo André Holanda diz ainda que, este semestre, o Porto do Mucuripe deve terminar com uma movimentação de dois milhões de toneladas, batendo assim um recorde. A mesma estimativa é feita para o segundo semestre, totalizando quatro milhões de toneladas ao fim do ano.
Já a licitação para as obras de dragagem teve seu resultado publicado anteontem, no Diário Oficial. Venceu a Bandeirantes Dragagem, com preço de R$ 54,6 milhões. O resultado deve ser homologado em cinco dias.

Fonte: O Povo (CE)/Diego Lage


Marintec Navalshore