Movimentação dobra e projeta Complexo Portuário do Itajaí-Açu como segundo maior do país

Previsão é que portuário esteja restabelecido antes no último trimestre de 2010
Um ano e meio após a destruição de dois berços de atracação de navios, na tragédia de 2008, os terminais de Itajaí e Navegantes (Portonave), no Complexo Portuário do Rio Itajaí-Açu, registram um início de ano animador, com números que projetam 2010 como o melhor ano da história em movimentação de contêineres.
Os dois portos registraram aumento de 91,6% na movimentação de TEUs (unidade internacional equivalente a um contêiner de 20 pés) nos cinco primeiros meses de 2010 em comparação com o mesmo período do ano passado.
A projeção do superintendente interino do Porto de Itajaí, Alexandre Antonio dos Santos, é de que o complexo movimente mais de 800 mil TEUs até o final do ano contra os 593,4 mil em 2009.
— Isso consolida a posição do Complexo Portuário do Itajaí como o segundo maior porto nacional em movimentação de contêineres.
Para o diretor comercial do Porto de Itajaí, Robert Grantham, dois fatores podem alavancar ainda mais os números do complexo: a dragagem de aprofundamento dos canais de acesso aos terminais e as obras de reconstrução dos berços destruídos. A previsão é que o complexo portuário esteja restabelecido antes no último trimestre de 2010.
— Essa movimentação tem potencial para dobrar. Já somos (complexo portuário) o segundo maior porto nacional e esse crescimento vem aumentando a diferença para o terceiro, Paranaguá. Mas ainda estamos distantes do Porto de Santos, que movimenta mais de dois milhões de TEUs por ano — avalia Grantham.
Enchente
Os estragos causados pela enchente de novembro de 2008 foram sentidos nos dois berços de atracação do lado itajaiense do rio. Armadores deixaram de operar no Complexo Portuário do Rio Itajaí, outros apenas transferiram para Navegantes as atracações. Com isso, a Portonave, que começou a operar em outubro de 2007, registrou um crescimento ainda maior.
— A movimentação da Portonave está crescendo gradativamente e a expectativa para 2010 é de ultrapassar a marca de 600 mil TEUs — estima o diretor superintendente administrativo da Portonave, Osmari de Castilho Ribas.
Mas, conforme Robert Grantham, diretor do Porto de Itajaí, o maior problema foi sentido nos dois portos: o assoreamento do Rio Itajaí-Açu.
— O calado vem sendo restabelecido com o processo de dragagem e os resultados já estão aparecendo. Os armadores voltaram a operar aqui e há também novos serviços que apareceram desde o mês passado: alguns armadores que nunca haviam operado na América do Sul estão entrando no Brasil e atracando em Itajaí e Navegantes — explica.
Equilíbrio
Os números divulgados pelo Complexo Portuário do Rio Itajaí apontam uma mudança no perfil de operação. As importações correspondem a 45% das cargas movimentadas até maio de 2010, com 1,66 milhão de toneladas.
Desde 2007, as importações não ultrapassaram 35%. A baixa cotação do dólar e dos incentivos fiscais que o governo do Estado concedeu aos importadores que usam os portos catarinenses contribuíram. Os produtos mais importados são os mecânicos, químicos e têxteis, respectivamente.
Portonave registra aumento de 91,6% na movimentação de TEUs (unidade internacional equivalente a um contêiner de 20 pés) nos cinco primeiros meses de 2010 - Divulgação / Porto de Itajaí
Portonave registra aumento de 91,6% na movimentação de TEUs (unidade internacional equivalente a um contêiner de 20 pés) nos cinco primeiros meses de 2010

Fonte: A Notícia (Joinville)/Fernando Arruda


Marintec Navalshore