Lama elétrica

SUPRG e Furg assinam convênio para projeto inédito que extrairá eletricidade de sedimentos de dragagem

A Superintendência do Porto do Rio Grande (SUPRG) e a Universidade Federal do Rio Grande (Furg) firmaram convênio para o projeto Valoração dos Sedimentos de Dragagem do Porto do Rio Grande. Trata-se de uma tecnologia para a bioconversão dos sedimentos de dragagem, a qual permitirá o aproveitamento da areia e a produção de energia elétrica. Este projeto é inédito no mundo. O investimento da SUPRG é de aproximadamente R$ 600 mil.

Publicidade
Catálogo da Indústria Marítima

 

O convênio assinado pelo superintendente do porto do Rio Grande, Dirceu Lopes, e pelo reitor da Furg, João Carlos Brahm Cousin, visa a consolidação da tecnologia com a construção de uma planta piloto para o tratamento dos sedimentos de dragagem, tornando o porto do Rio Grande pioneiro no uso deste processo e agregando valor às atividades portuária e de proteção ao meio ambiente.

Este trabalho será coordenado pelos professores Fabricio Santana e Christiane Ogrodowski, da Escola de Química e Alimentos da Furg, e executado no Laboratório de Controle Ambiental. De acordo com Santana, internacionalmente ainda existem poucos trabalhos a respeito da geração biológica de eletricidade. “Há uma organização internacional que estuda essa tecnologia, na qual nós somos o único grupo brasileiro a fazer parte. Porém, quando se fala em sedimento de dragagem no setor portuário com a utilização dessa tecnologia, realmente o porto do Rio Grande torna-se pioneiro. É uma iniciativa inovadora”, explica.

O superintendente do porto, Dirceu Lopes, destaca que a intenção desta gestão é trabalhar a inovação tecnológica no porto, com o intuito de resolver gargalos históricos, sendo o principal deles em relação ao depósito dos sedimentos de dragagem. A  partir de  2011 o  projeto foi retomado na SUPRG. “Nós não queríamos só financiar o projeto. O porto do Rio Grande será sócio desse projeto”, salientou.

Conforme Lopes, atualmente os sedimentos são despejados a aproximadamente 31 quilômetros da área dragada e os recursos empregados para as dragagens são de cerca de R$ 52 milhões por ano. Sem a necessidade de deslocamento dos sedimentos, há uma economia de quase R$ 20 milhões. “Temos condições de estar na vanguarda das soluções tecnológicas. Rio Grande entra no cenário portuário mundial com essa tecnologia. Um grande investimento num processo tecnológico que vai modificar todo o conceito de dragagem do Brasil”, avalia.

De acordo com o superintendente, a intenção é apresentar o projeto para a Secretaria de Portos da Presidência com o objetivo de nacionalizar essa tecnologia. Este projeto já foi aprovado pela Secretaria da Ciência, Inovação e Desenvolvimento Tecnológico do estado do Rio Grande do Sul.

O reitor da Furg ressalta o fato de a pesquisa já ter passado do estágio de laboratório para tornar-se uma pesquisa com resultados concretos, com a construção de uma planta piloto.

 

Diferentemente de qualquer outra tecnologia biológica, esse processo envolve o transporte de elétrons para fora da célula dos micro-organismos, gerando eletricidade. Entretanto, a diferença é que esse micro-organismo já foi encontrado no sedimento da dragagem no porto e já apresentou elevado potencial de energia elétrica. Essa tecnologia permite a utilização da matéria orgânica que está no sedimento.

Após o projeto conceitual e a confirmação do estudo em pequena escala, este projeto recebe um aumento de escala. Segundo o professor, o objetivo agora é aumentar a densidade de potência e se chegar perto do que foi estimado no projeto conceitual, que envolve 5,8 megawatts hora de potência. “Imaginando uma dragagem de manutenção, é o equivalente a uma usina termoelétrica.”

De acordo com Santana, esse primeiro ciclo tecnológico tem duração de um ano, onde serão realizados testes. Nesse período, será definido o sistema de separação da areia, silte, argila e a matéria orgânica. “O grande diferencial deste trabalho é a estruturação de um plano de negócios da tecnologia. Isso vai definir o quanto que o porto vai ganhar aplicando essa tecnologia e como podemos transferir essa tecnologia para os demais setores portuários”, diz.

Nos dois próximos meses será feita a aquisição dos equipamentos necessários para a construção da planta piloto e a instalação dos equipamentos.  Após seis meses de estudo, será feito um seminário de avaliação. Serão realizadas também reuniões trimestrais de equipe técnica com a equipe do porto.

Além disso, os pesquisadores devem apresentar o projeto em seminários no exterior. “A comunidade internacional tem que conhecer esse projeto porque também precisamos receber questionamentos que nos levem a melhorar o processo”, enfatiza.

Comentários

ABB

Assine Portos e Navios

Pesa

Syndarma

OTC Brasil

Tche Digital

Assine Portos e Navios

Aapa

Abeam

Sobena

Sinaval Abratec