A Justiça Federal prorrogou as prisões temporárias de sete acusados de pertencerem a uma organização criminosa que atuaria no Porto de Santos.O ex-diretor-presidente da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), José Alex Oliva; o ex-diretor de Relações com o Mercado e Comunidade da empresa, Cleveland Sampaio Lofrano; o ex-assessor da Docas Carlos Antônio de Souza; o superintendente jurídico da Codesp, Gabriel Nogueira Eufrásio; e os empresários Mario Jorge Paladino, Joabe Francisco Barbosa e Joelmir Francisco Barbosa foram presos em 31 de outubro durante a Operação Tritão, da Polícia Federal (PF).A PF aponta fraudes na contratação da digitalização de documentos com a MC3 Tecnologia e irregularidades na contratação de serviços de informática com a N2O Tecnologia, além de pagamento indevido realizado para a empresa Domain Consultores, em forma de aditivo contratual.De acordo com os responsáveis pelas investigações, essas contratações fraudulentas realizadas pela Codesp somam R$ 20 milhões.No entanto, há suspeitas de que essas empresas também foram contratadas por outros órgãos públicos, como a extinta Secretaria de Portos, hoje vinculada ao Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes.Atendendo a pedido da Polícia Federal, a juíza Veridiana Gracia Campos prorrogou as prisões temporárias dos sete suspeitos por mais cinco dias, em decisão nesse sábado (3), por entender que a liberdade deles poderia comprometer as investigações.

PF investiga a suposta ação de uma organização criminal na Codesp, Policiais militares estiveram na sede da Codesp, em Santos (Foto: Rogério Soares/A Tribuna)VídeoAs investigações foram iniciadas há dois anos, a partir da divulgação de um vídeo nas redes sociais em que Carlos Antônio de Souza confessava a prática de delitos ocorridos na Docas. O material foi encaminhado ao Ministério Público Federal (MPF) e à PF. O inquérito foi iniciado em novembro de 2017.No vídeo, o ex-assessor, flagrado por Ulisses Stonaga de Moraes, cita a MC3 como fonte de desvio de recursos da Codesp. Paladino foi citado na gravação, assim como Lofrano, apontado como quem autorizou a licitação que resultou na contratação da firma sem tê-lo submetido à deliberação do Conselho de Administração (Consad) da Docas.ExoneraçõesNo dia das prisões, o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Valter Casimiro, exonerou o diretor-presidente e o diretor de Relações com Mercado e Comunidade da Codesp.O assessor especial do ministério, Luiz Fernando Garcia, foi nomeado como diretor-presidente em substituição a José Alex Oliva. No lugar de Cleveland assume o então presidente do Consad, José Alfredo de Albuquerque e Silva.

Fonte: A Tribuna

Comentários


Cash Computadores

Assine Portos e Navios



Syndarma

ABTP

Antaq

TMSA

Assine Portos e Navios

Abeam

Sobena

Terra Firma Abratec