MSC

Guarda Portuária de Paranaguá retém carga com indício de adulteração

Um caminhão procedente de Cuiabá (MT), carregado com farelo de soja, foi retido pela Guarda Portuária de Paranaguá, na noite desta terça-feira (9), por indício de adulteração na carga. Os funcionários da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) e da Empresa Paranaense de Classificação de Produtos (Claspar), que acompanhavam a descarga do produto no Silo Público, constataram a presença de areia e interromperam imediatamente a operação.
Segundo informações da área operacional da Appa, uma primeira suspeita de irregularidade surgiu no momento em que o caminhão passou pela pesagem. O peso bruto informado na documentação do caminhão era de 48,5 toneladas e ao passar pela balança do porto foi verificado o peso de 50,8 toneladas. A carga constante na nota fiscal era de 31,2 toneladas, pertencente à MGT Brasil Comercial Importadora e Exportadora Ltda. O operador portuário responsável pela logística do carregamento é a Gransol Granéis Sólidos Ltda.
A Claspar verifica as cargas de farelo que chegam ao Porto de Paranaguá, ainda no Pátio de Triagem, para fazer a classificação do produto conforme norma do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (tipo I, II ou III, de acordo com o teor de proteína). Durante a descarga nos silos, são colhidas amostras que formarão os lotes para análise da presença de impurezas.
De acordo com o subchefe da Guarda Portuária, tenente José Kizlek, o caminhão ficou retido e as amostras da carga coletadas pelos fiscais da Claspar foram encaminhadas à Delegacia de Polícia Civil, que também investigará o caso.(Fonte: Agência Estadual de Notícias)

Priner     Terlogs     Mampaey     AAPA
             

Tche Digital

 

 

Sinaval

 

  Sinaval   Assine Portos e Navios