Docas do Rio adquire radares para monitoramento do tráfego aquaviário nos portos

Com o objetivo de implantar um Local Port Service (LPS) nos Portos do Rio de Janeiro e Niterói até o final do primeiro semestre de 2022, a Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ) comprou mais alguns dos equipamentos necessários à execução do projeto. Depois das câmeras ópticas convencionais e termais, a mais recente aquisição da autoridade portuária foi a de três radares Sharp Eye da marca Kelvin Hughes, que chegaram no Porto do Rio de Janeiro em outubro e foram formalmente nacionalizados no último dia 29 de novembro.

O gestor de VTMIS da Docas do Rio, Marcelo Villas-Bôas, explicou que “esses radares, em complemento ao já instalado no Centro Tecnológico da Marinha no Rio de Janeiro (CTMRJ), irão compor o Subsistema de Radares do VTMIS dos Portos do Rio de Janeiro e Niterói”. Villas-Bôas informou que o radar da Marinha do Brasil (MB) irá integrar o LPS, que vem a ser a fase 1 do projeto do VTMIS, e os outros três, recém-adquiridos pela Docas do Rio, serão utilizados na fase 2 do projeto do VTMIS, que envolverá a implantação de um Vessel Traffic Service (VTS) nesses portos.

Ainda segundo o gestor de VTMIS, a integração dos novos equipamentos da Docas do Rio com os da MB, já existentes nas Organizações Militares, é fruto de um convênio estabelecido em 2019, entre as Autoridades Portuária e Marítima, com vistas ao monitoramento do tráfego aquaviário na Baía de Guanabara: “Essa parceria viabilizará o acesso a modernas ferramentas tecnológicas de gerenciamento da infraestrutura aquaviária, com reflexo direto sobre a segurança e a operação dos portos”. A implementação do VTMIS visa melhorar a segurança da navegação, salvaguardar a vida humana no mar, elevar a eficiência do tráfego marítimo, ajudar na prevenção da poluição marinha, além do cumprimento de padrões marítimos internacionais.

PUBLICIDADE

Rimac



Pesa

        Jan de Nul     Antaq
             

Tche Digital

 

 

Anuncie PN

 

  Sinaval   Assine Portos e Navios