Bimco

China quer construir 150 centros logísticos até 2025

A China está a planear construir 150 centros logísticos até 2025, com 30 deles a serem construídos até o ano que vem, informou a Technode, citando um plano divulgado pela Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma da China e pelo Ministério dos Transportes.

Os hubs serão de vários tipos, incluindo portos secos, portos marítimos e aeroportos, e vão utilizar tecnologias como automação e robótica para aumentar a sua eficiência.

De acordo com a Technode, o governo procura melhorar a eficiência logística do país, desenvolvendo a entrega de encomendas, ferrovias de alta velocidade, transporte aéreo e aumentar a capacidade da cadeia de frio.

Publicidade
Catálogo da Indústria Marítima

 

As cidades costeiras da China abrigam alguns dos portos mais movimentados do mundo, movimentando dezenas de milhões de TEUs por ano.

No entanto, as crescentes exportações, indústrias e a população ao longo da costa do Pacífico criaram uma escassez de espaço, pelo que, actualmente, uma grande parte do desenvolvimento logístico está a deslocalizar-se para o interior.

O plano logístico da China não específica onde os 150 hubs serão construídos, mas lista 127 cidades como “locais qualificados”.

As principais cidades portuárias, como Shenzhen, Xangai e Guangzhou, fazem parte desta lista, mas as cidades do interior emergem como centros logísticos, incluindo Zhengzhou – apelidado de “Cidade do iPhone” por causa de uma fábrica da Foxconn – e Xi’an.

As cidades do interior servem como pontes de terra entre a China e a Europa e ajudam a facilitar o comércio entre os principais blocos.

Muitos dos novos centros logísticos também ajudarão ao abastecimento dos pedidos domésticos de comércio electrónico, informou a Technode. A China é o maior mercado de comércio electrónico do mundo, tendo superado os EUA em 2015. O seu mercado de retalho online deve atingir os US $ 1,8 biliões até 2022, de acordo com um relatório da Forrester.

O desafio, especialmente em regiões rurais e subdesenvolvidas, é a falta de infra-estruturas necessárias para o transporte de mercadorias. O plano logístico da China enfatiza o desenvolvimento de infra-estruturas, como a rede ferroviária e de frio, para apoiar os centros e ajudar a atender à procura dos consumidores.

Fonte: Logística Moderna

Comentários

 

 

Reportagens da edição 702

Presença a bordo

08 Jul 2019 18:07 Navegação

Empresas pedem manutenção das vagas na formação para não faltar marítimos. Sindicato cobra equilíbrio entre oferta e demanda • O mercado de navegação no Brasil apresenta oferta de marítimos superior à...

Legal Seminar

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

Considerado o mais importante mercado “offshore” fora do Mar do Norte, o Brasil também atraiu a atenção de armadores noruegueses em evento paralelo • A primeira apresentação deu uma visão das...

Mercado de gás

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

As oportunidades no setor de gás no Brasil também foram debatidas no evento.  A superintendente de Oléo e Gás do estado do Rio de Janeiro, Cristina Pinho, deu um quadro...

Brasil na Nor-Shipping

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

Pela terceira vez o Brasil promove um seminário durante o evento • Se neste ano o clima do evento em geral já era mais leve que nas edições anteriores, no caso...

Kincaid

Assine Portos e Navios

Consórcio Águas Azuis

Tche Digital

Seminário de Metanol

Aapa

Abeam

Sobena

Sinaval Abratec