Cargill amplia fábrica em Minas

Daniela Almeida - Estado de Minas
Mesmo a crise mundial não foi o suficiente para convencer os executivos da Cargill, produtora internacional de produtos e serviços alimentícios e agrícolas, a interromper o investimento previsto de R$ 197 milhões na expansão da fábrica de amidos e adoçantes, em Uberlândia, Triângulo Mineiro. A ampliação, iniciada há 18 meses sobreviveu às incertezas do mercado e foi inaugurada segunda-feira, em solenidade com a presença do governador Aécio Neves (PSDB). A aposta, ao que parece, foi certeira.
De acordo com dados da Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (Abia), o setor de alimentos faturou só no ano passado, período mais forte da crise financeira mundial, R$ 290 bilhões e apresentou um incremento real de faturamento da ordem de 4,09%. A previsão de crescimento para 2010 é de 4,5%. De acordo com a empresa, que por motivos estratégicos não revela o volume de sua produção atual, a expansão ampliará a capacidade produtiva de amidos e adoçantes destinados à indústria alimentícia em 70%. Cerca de 90% desse montante será dedicado ao mercado interno.
“Fomos capazes de manter o cronograma de investimentos diante da crise e, 18 meses depois, inauguramos essa expansão, exatamente no momento em que o Brasil está colhendo uma grande safra. Esse investimento está ligado a isso.”, disse o presidente da Cargill no Brasil, Marcelo Martins. Segundo a empresa, do investimento total envolvido na expansão, R$ 112 milhões foram empregados na ampliação da fábrica e R$ 85 milhões foram aplicados na geração de energia, o que permitirá obter internamente 70% de toda a energia utilizada no complexo da Cargill em Uberlândia. Com a ampliação, a planta se torna agora a segunda maior fábrica da empresa no mundo. Cerca de 1300 empregos indiretos foram gerados durante a obra, na região, e 70 empregos diretos serão criados com a ampliação.
Outra inauguração da qual participou o governador na terça-feira foi a do entreposto aduaneiro da Zona Franca de Manaus. Ao lado do governador do Amazonas, Eduardo Braga (PMDB), Aécio assinou um protocolo de instalações que do entreposto que facilitará o escoamento da produção das empresas instaladas na Zona Franca. A região foi escolhida pela interligação de sua malha viária com todo o país e pela proximidade com o Porto Seco do Cerrado, no Distrito Industrial da Cidade, o qual possibilita que o recolhimento fiscal das importações seja feito apenas no momento de sua efetiva retirada do local. (fonte: UAI)