Mais de 600 pessoas participaram da audiência pública para apresentação do projeto de ampliação do cais de acostagem do Porto de Paranaguá. A reunião, realizada na noite de quarta-feira (23), teve mais de cinco horas de duração e permitiu que moradores de comunidades pesqueiras, tradicionais, indígenas e de todo os bairros da cidade participassem. 

A Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) apresentou os estudos de impacto ambiental e o projeto de implantação dos píeres em “T”, “F” e “L”, além da construção de um Complexo Náutico para recepção de navios de passageiros.

“São grandes obras, que preparam o Paraná para receber as 80 milhões de toneladas de carga, previstas para 2030/2040. Estes empreendimentos devem gerar muitos empregos, mas também trazem os impactos naturais da atividade portuária”, explica o diretor-presidente dos Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia. 

 

“A população tem que estar ciente destas propostas e participar das discussões. É importante porque essa integração traz contribuições relevantes e nos ajuda na construção de um porto melhor”, destaca. 

Segundo a coordenadora substituta de Licenciamento de Portos e Estruturas Marítimas do Ibama, Janaína de Souza Cunha, a audiência pública serve para dar transparência ao processo. “Este é o momento de se aproximar da sociedade e apresentar os impactos previstos, discutindo com eles as formas de reduzi-los. A audiência também traz sugestões das comunidades e permite que todos exponham suas opiniões”, diz. 

EMPREGOS: A previsão é que, na fase de construção, as obras gerem até 600 empregos diretos. Na fase de operação, cada empreendimento (píer T, F e L) deve movimentar 200 trabalhadores e o Complexo Náutico pode chegar a 400 pessoas empregadas. 

COMPENSAÇÕES: Se viabilizados, os projetos preveem uma compensação ambiental, conforme legislação. Algumas medidas para diminuir os impactos também devem ser adotadas. 

No trânsito, por exemplo, além da revitalização da av. Bento Rocha e da construção do viaduto na BR 277 - que já estão em andamento, estão previstas obras de revitalização da av. Ayrton Senna e implantação de um pátio de caminhões de retorno. 

Também são propostos 29 programas ambientais, como gerenciamento de emissões atmosférica, ruídos, monitoramento do solo, qualidade da água e sedimentos. A Appa prevê, ainda, programas voltados para a fauna e flora, biota aquática, cetáceos, entre outros. 

A capacitação de mão de obra e fornecedores locais, junto com o maior controle da gestão pública relativa às demandas portuárias, seria adotada para melhorar as condições de emprego e renda. O apoio à atividade pesqueira e o monitoramento da qualidade de vida da população que mora nas áreas próximas são outras possibilidades. 

OBRAS: O Corredor de Exportação, área para embarque e desembarque de granéis sólidos, será ampliado. O píer em formato T será paralelo ao cais que já existe, com estrutura para receber mais quatro navios de forma simultânea. Além disso, a construção será na bacia de evolução, permitindo maiores profundidades com menores esforços de dragagem. 

O complexo para exportação de grãos ganhará ainda uma nova área: o píer em formato F, no setor oeste do cais atual. Serão dois píeres de carregamento, paralelos ao cais acostável e interligado à extremidade oeste do berço 201. 

O projeto também prevê a ampliação do píer de inflamáveis, que ganhará dois novos berços, em um novo píer em formato L.

TURISMO: Para ampliar o turismo em todo o Litoral, a Appa prevê a construção de uma área especifica para receber navios de passageiros. O Complexo Náutico prevê a construção de áreas de convivência, marina, receptivo e elementos de promoção da cultura regional.

Fonte: Appa

Comentários

Datamar

Messe Munchen

Assine Portos e Navios



Pesa

ABTP

Envie uma pauta

Tche Digital

TMSA

Assine Portos e Navios

ABTP

Sobena

Fenavega Abratec

 

Ecobrasil