Marintec Navalshore

Aprosoja vê em portos do Norte alternativa para escoar produção de MT

Aprosoja vê em portos do Norte alternativa para escoar produção de MT
Presidente e diretores da associação participam de reunião técnica sobre o Projeto do Terminal de Grãos do Maranhão
O presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (Aprosoja/MT) Glauber Silveira, diretores da associação e representantes do Movimento Pró-logística participam na próxima terça, dia 12, de audiência e reunião técnica sobre o Projeto do Terminal de Grãos do Maranhão (Tegram).
O encontro será realizado no Porto de Itaqui, em São Luis, empreendimento alvo do projeto. A previsão é que o porto receba cerca de R$ 800 milhões em investimentos, que aumentará a capacidade de movimentação de grãos de dois milhões de toneladas/ano (atualmente) para até 13 milhões de toneladas/anuais a partir de 2013.
Itaqui é um dos portos estrategicamente importantes para o escoamento da produção de grãos de Mato Grosso. Glauber Silveira afirma que a ampliação na capacidade de movimentação, com a construção de infraestrutura para grãos no porto, e obras estruturantes de transporte para se chegar até ele, aumentará o fluxo de cargas com produtos mato-grossenses nessa estação portuária, que por enquanto está limitada à movimentação de dois milhões de toneladas vindas de todo o país.
Os portos do Norte e Nordeste importantes para o escoamento da produção de Mato Grosso, beneficiando principalmente os municípios localizados nas regiões norte e médio-norte do Estado. Ele complementa dizendo que cerca de 15% das exportações brasileiras saem pelos portos dessas regiões, e que com os investimentos previstos no Projeto Tegram e em modais de transportes, que aumentarão o fluxo para os portos do Norte, esse percentual subirá para até 25% nos próximos 10 a 15 anos.
Glauber diz ainda que os embarques ao mercado externo pelos portos dessa região do Brasil proporcionam um ganho de um a quatro dias de navegação, dependendo do país de origem e de destino. Isso porque, embarcando o produto nos portos de Santos (SP) e Paranaguá (PR), os navios têm que percorrer todo o trajeto rumo ao Norte, o que seria desnecessário saindo direto do Norte. Os investimentos que estão cotados para serem aplicados na ampliação do porto de Itaqui serão provenientes de parcerias público-privadas (PPPs). Do total estimado para o aporte financeiro (R$ 800 milhões), R$ 300 milhões serão investidos pelo governo federal, sendo uma parte com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e o restante será de investidores do setor privado. É um grande projeto e que será fundamental para aumentar as exportações pela região Norte do país, usando tecnologias e proporcionando mais eficiência no transporte até o destino final.
Na pauta dos diretores da Aprosoja e do Movimento Pró-logística estão também visitas na quarta, dia 13, e quinta, 14, a outros dois portos, o de Santarém e o de Vila do Conde, ambos no Pará. Esse segundo ainda não opera com grãos, mas a perspectiva é que no futuro, com a conclusão da eclusa de Tucuruí e ramais de transporte, a exemplo da conclusão da ferrovia Ferronorte até Belém, o porto passe a receber soja e milho.(Fonte: Zero Hora)

ABB

Assine Portos e Navios

Consórcio Águas Azuis

Syndarma

Abac

Assine Portos e Navios

Antaq

Tche Digital

Sobena

Sinaval Abratec