Porto do Açu

Antonina - Dragagem na Galheta tem início

Está em Antonina a draga que realizará o segundo lote da dragagem dos pontos críticos do Canal da Galheta. O equipamento, de origem chinesa, possui capacidade de cisterna para cinco mil metros cúbicos e irá dragar o trecho que compreende o canal de acesso até o porto. De acordo com a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), serão retirados cerca de um milhão de metros cúbicos de sedimentos. Com a dragagem do canal de acesso ao porto, a profundidade no local deverá superar os oito metros, melhorando as condições de navegação atuais. O trabalho deve estar concluído em cinco meses.

A Appa já concluiu o primeiro trecho da dragagem dos pontos críticos do Canal da Galheta, que compreende desde a entrada do canal até o porto de Paranaguá. Os trabalhos, que tiveram início em julho de 2012, concentraram-se em diferentes pontos do canal onde o assoreamento é mais intenso, devolvendo o traçado original da Galheta, com 15 metros de profundidade e 200 metros de largura. No ponto onde há o registro de assoreamento mais constante, foi realizado um trabalho que ampliou a sobrelargura do canal, de 1.650 metros, que passou de 200 para 225 metros de largura.

A batimetria final mostrou que, na primeira fase da dragagem, foram retirados do canal cerca 2,7 milhões de metros cúbicos de sedimentos. A draga, também chinesa, que realizou os trabalhos já deixou o porto de Paranaguá. A dragagem dos pontos críticos do Canal da Galheta tem custo total de R$ 37 milhões e está sendo paga com recursos próprios da Appa.


Rimac


Priner     Terlogs     Mampaey     AAPA
             

Tche Digital

 

 

Sinaval

 

  Sinaval   Assine Portos e Navios