Os últimos detalhes para a destruição dos 115 cilindros com gases tóxicos que estão no Porto de Santos serão definidos nesta sexta-feira (11). Esta é a expectativa do Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente (Gaema) do Ministério Público Estadual, que se reunirá nesta sexta-feira com técnicos da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp, a Autoridade Portuária).

A ideia, divulgada na última segunda-feira (7), é descartar os gases em alto-mar, a pelo menos 232 quilômetros da costa. Para isso, os cilindros seriam transportados a bordo de uma balsa com outras duas embarcações de apoio. 

Nesta quinta-feira (10), oficiais da Capitania dos Portos de São Paulo (CPSP) discutiram detalhes sobre o plano com técnicos da Docas. Caberá à Autoridade Marítima indicar a viabilidade do plano, de acordo com normas internacionais. 

Se ele for aprovado, será indicado o melhor local para a destruição dos gases e, ainda, as medidas de segurança que deverão ser adotadas. Uma delas é o isolamento da área em um raio de, pelo menos, cinco quilômetros. A mesma restrição valerá para o espaço aéreo.

A viabilidade da destruição dos gases em alto-mar foi apontada pela Suatrans Atendimento Emergencial, que foi contratada pela estatal para o monitoramento dos gases que foram esquecidos há mais de 20 anos no cais santista.

Fonte: A Tribuna