O volume de grãos que passaram pelo Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá (PR) em junho deste ano foi 22% superior ao mesmo mês de 2016. Ao todo, foram embarcadas 1,5 milhão de toneladas no mês passado, enquanto, no ano anterior, a marca foi de 1,2 milhão de toneladas. Já no primeiro semestre, foram movimentadas 8,61 milhões de toneladas de granéis. Na prática, isso é suficiente para preencher 148 navios.

O aumento foi puxado pela retomada das exportações de milho. Com a queda do preço no mercado interno, os produtores voltaram a embarcar o grão para outros países. Ao longo do mês, foram movimentadas 346 mil toneladas no Corredor de Exportação, quase seis vezes mais do que as 46 mil toneladas exportadas em junho do ano passado.

De acordo com o diretor-presidente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), Luiz Henrique Dividino, não foi preciso desacelerar outros embarques. O complexo soja, por exemplo, se manteve praticamente estável, com 1,1 milhão de toneladas embarcadas. 


“Tivemos um aumento na capacidade operacional que nos permite trabalhar desta forma”, disse. Segundo ele, dois investimentos fundamentais foram as trocas dos shiploaders, que aumentaram a produtividade de carregamento em 33% e as dragagens, que permitem que navios maiores atraquem no porto e saiam ainda mais carregados. Ao todo, já foram investidos R$ 624 milhões.

“A demanda é ditada pelo usuário do porto. Hoje temos um porto capacitado para trabalhar de acordo com o que o mercado precisa”, afirma o secretário estadual da Infraestrutura e Logística, José Richa Filho.

Fonte: A Tribuna