Petróleo recua com nova rodada de tensões comerciais entre EUA e China

Os preços futuros do petróleo iniciaram o dia em alta, com a notícia de que dois petroleiros sauditas foram atacados no estreito de Ormuz no fim de semana. No entanto, a falta de informações adicionais sobre o episódio, juntamente com a notícia de que a China iria elevar tarifas de importação para produtos dos Estados Unidos, como retaliação às medidas anunciadas pelos americanos na última semana, derrubou os ganhos da commodity, que terminaram a segunda-feira (13) em baixa.

Os contratos do Brent para julho encerraram o dia em queda de 0,55%, aos US$ 70,23 por barril, na ICE, em Londres. Já os preços do contrato para junho do WTI caíram 1% na divisão de Mercadorias da Bolsa de Mercadorias de Nova York (Nymex), aos US$ 61,04 por barril, menor valor de fechamento desde 29 de março.

Segundo o ministério de Energia da Arábia Saudita, dois petroleiros sauditas foram atacados no estreito de Ormuz, no fim de semana, e sérios danos foram causados às estruturas das embarcações.

Publicidade
Catálogo da Indústria Marítima

 

Pelo estreito de Ormuz, que conecta o Golfo Pérsico ao de Omã, passa cerca de um terço do fluxo global de petróleo e de gás liquefeito de petróleo. “Não é surpresa que os preços estejam reagindo a ameaças em uma das áreas mais críticas para a livre circulação de petróleo”, diz Harry Tchilinguirian, diretor global de estratégia para commodities do BNP Paribas.

Efeito dólar 

O fortalecimento do dólar também contribuiu para o enfraquecimento do petróleo. Os ativos normalmente possuem correlação negativa e o índice de dólar da ICE chegou a recuar 0,30% pela manhã. Ao passo que foi zerando os ganhos, com as novas notícias sobre as tensões comerciais, os preços do petróleo, que chegaram a subir 2% pela manhã, viraram a tendência e fecharam o dia no negativo.

Fonte: Valor

Comentários

 

 

Reportagens da edição 702

Presença a bordo

08 Jul 2019 18:07 Navegação

Empresas pedem manutenção das vagas na formação para não faltar marítimos. Sindicato cobra equilíbrio entre oferta e demanda • O mercado de navegação no Brasil apresenta oferta de marítimos superior à...

Legal Seminar

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

Considerado o mais importante mercado “offshore” fora do Mar do Norte, o Brasil também atraiu a atenção de armadores noruegueses em evento paralelo • A primeira apresentação deu uma visão das...

Mercado de gás

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

As oportunidades no setor de gás no Brasil também foram debatidas no evento.  A superintendente de Oléo e Gás do estado do Rio de Janeiro, Cristina Pinho, deu um quadro...

Brasil na Nor-Shipping

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

Pela terceira vez o Brasil promove um seminário durante o evento • Se neste ano o clima do evento em geral já era mais leve que nas edições anteriores, no caso...

Leia mais reportagens da edição impressa

Cash Computadores

Kincaid

Consórcio Águas Azuis

Container Institute

Envie uma pauta

Tche Digital

Sobena

Aapa

ABTP

Sinaval

Fenavega Abratec