Petrobras: Espírito Santo só receberá nova plataforma a partir de 2022

Inicialmente prevista para 2021, a instalação de um navio-plataforma pela Petrobras na região da Bacia de Campos, no Espírito Santo, foi adiada para 2022. A informação foi divulgada na manhã desta quarta-feira (05) e consta no Plano de Negócios e Gestão da empresa para o período de 2019 a 2023.

Em fevereiro deste ano, a Petrobras chegou a lançar uma licitação para o afretamento do FPSO (navio-plataforma) do sistema integrado do Parque das Baleias. Mas, em novembro, a Petrobras adiou para janeiro a data de entrega das propostas das licitações. 

O objetivo inicial era que a unidade já funcionasse em 2021 e produzisse 100 mil barris por dia de óleo e comprimisse 5 milhões de metros cúbicos por dia de gás.

Publicidade
Catálogo da Indústria Marítima

 

O Parque das Baleias conta hoje com quatro unidades em operação e produz cerca de 299 mil barris/dia de óleo e 7,4 milhões de m3/dia de gás. O volume de produção é extraído pela P-57, P-58, FPSO Cidade de Anchieta e FPSO Capixaba.

A Bacia de Campos é a principal área sedimentar já explorada na costa brasileira. Ela se estende das imediações de Vitória até Arraial do Cabo, no litoral norte do Rio de Janeiro, em uma área de aproximadamente 100 mil quilômetros quadrados.

Outros campos de grande porte foram descobertos na parte norte dessa bacia, todas no Espírito Santo: Jubarte e Cachalote, na área que ficou conhecida como "Parque das Baleias".

Plano de Negócios e Gestão 

Nesta terça-feira (05), o Conselho de Administração da Petrobras aprovou o Plano de Negócios e Gestão para o período de 2019 a 2023 e o Planejamento Estratégico com visão até 2040. Nele, fica garantido que a empresa investirá, nos próximos cinco anos, mais de R$ 325 bilhões em suas atividades produtivas, cerca de US$ 10 bilhões a mais do que o previsto em seu último plano de negócios.

Segundo o presidente da Petrobras, Ivan Monteiro, a nova métrica é criada após a superação dos problemas financeiros da companhia. “A Petrobras trilhou uma caminhada sólida nos últimos anos, fez uma virada histórica e entregas que mudaram profundamente a empresa. Os indicadores de segurança e dívida melhoraram significativamente, mas os desafios não terminaram. Agora, com as finanças mais equilibradas, a companhia buscará um caminho de rentabilidade sustentável, atenta às mudanças à sua volta”.

Fonte: Folha Vitória

Comentários

 

 

Reportagens da edição 702

Presença a bordo

08 Jul 2019 18:07 Navegação

Empresas pedem manutenção das vagas na formação para não faltar marítimos. Sindicato cobra equilíbrio entre oferta e demanda • O mercado de navegação no Brasil apresenta oferta de marítimos superior à...

Legal Seminar

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

Considerado o mais importante mercado “offshore” fora do Mar do Norte, o Brasil também atraiu a atenção de armadores noruegueses em evento paralelo • A primeira apresentação deu uma visão das...

Mercado de gás

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

As oportunidades no setor de gás no Brasil também foram debatidas no evento.  A superintendente de Oléo e Gás do estado do Rio de Janeiro, Cristina Pinho, deu um quadro...

Brasil na Nor-Shipping

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

Pela terceira vez o Brasil promove um seminário durante o evento • Se neste ano o clima do evento em geral já era mais leve que nas edições anteriores, no caso...