Curso H

Pandemia dificulta as operações das grandes petroleiras

As principais empresas de petróleo, como Chevron, Exxon Mobil, Royal Dutch Shell e Total, estão tendo problemas para lidar com os surtos de coronavírus entre seus trabalhadores, que podem ameaçar a rentabilidade de alguns de seus maiores projetos.

Mesmo quando muitas partes do mundo começam a emergir do isolamento imposto pela covid-19, campos de trabalho e plataformas de petróleo em lugares remotos, onde os funcionários vivem e trabalham muito próximos, permanecem vulneráveis ??a erupções virais.

A Shell, na quarta-feira, evacuou sete trabalhadores de uma plataforma no Golfo do México para os testes de covid-19. “Cinco indivíduos que trabalham em uma plataforma operada pela Shell no Golfo do México dos EUA testaram positivo para o covid-19”, disse uma porta-voz da Shell, acrescentando que a empresa estava testando trabalhadores antes de irem para as plataformas desde 20 de maio.

Nas últimas semanas, centenas de trabalhadores em locais remotos de petróleo e gás foram infectados com a covid-19, incluindo no Golfo do México, Mar do Norte, Moçambique, Canadá e Cazaquistão, em um dos maiores campos de petróleo do mundo.
Os surtos vêm a se somar aos desafios que as empresas de petróleo enfrentam com a queda brusca dos preços do petróleo depois que os ‘lockdowns’ (isolamento total) mundiais sufocaram a demanda.

As empresas dizem que os recentes surtos causaram apenas interrupções limitadas. Ainda assim, eles tiveram que arcar com custos adicionais relacionados à segurança do pessoal e a atrasos nos projetos, disse Espen Erlingsen, chefe de pesquisa de produção e exploração da empresa de consultoria Rystad Energy, sediada na Noruega.

“As receitas futuras serão afetadas por isso, pois elas não poderão executar as atividades planejadas”, afirmou. “A principal preocupação é como isso vai se refletir no fluxo de caixa.”

Chevron
No Cazaquistão, mais de 900 petroleiros foram infectados com coronavírus no gigantesco campo de petróleo de Tengiz, de acordo com relatos da mídia estatal. O campo, que produz cerca de 600 mil barris por dia, ou 0,6% da produção global de petróleo, é operado por um consórcio liderado pela Chevron.

Os trabalhadores estavam sendo testados quando deixaram o campo para voltar para casa e a equipe no local foi reduzida em dois terços para cerca de 10 mil trabalhadores nos últimos dois meses, disse o diretor-executivo da Chevron, Mike Wirth, na assembleia geral anual da empresa na quarta-feira.

“A produção continua ininterrupta e continuamos focados em manter operações seguras e confiáveis”, disse uma porta-voz da Chevron.

Surtos em grandes projetos de petróleo podem levar a cortes na produção, disse Chris Midgley, chefe de análise da S&P Global Platts. Na Rússia, a companhia de petróleo Rosneft e a produtora de gás PAO Gazprom registraram surtos na Sibéria, forçando-os a colocar trabalhadores em quarentena e fechar aeroportos. “Se isso aumentar, é um grande risco”, disse Midgely.

Alguns reguladores estão preocupados há algum tempo com surtos em locais remotos. O governo dos EUA discutiu o fechamento obrigatório de plataformas de petróleo no Golfo do México, mas nenhuma ação foi tomada.

Na África, a Total fechou um projeto de gás natural liquefeito em Moçambique na Península de Afungi depois que os trabalhadores deram positivo para o vírus em abril. Apenas pessoal essencial permanece no local, disse um porta-voz da Total.

A BP disse em abril que adiou seus planos de gás natural liquefeito — incluindo a expansão de seu projeto Tangguh na Indonésia e o início de suas instalações de exportação no exterior da Mauritânia e Senegal — devido à covid-19, devido à redução do número de funcionários nos locais.

Imperial Oil
A Imperial Oil, de propriedade da Exxon, está lutando contra um surto em seu projeto de areias petrolíferas canadenses em Kearl Lake, no norte de Alberta. Aproximadamente 100 infecções espalhadas por quatro províncias canadenses foram ligadas ao campo de trabalho pelas autoridades de saúde.

O vírus se espalhou em Kearl Lake, apesar das medidas tomadas pela empresa desde março para limitar os surtos. A Imperial tentou distanciar os trabalhadores cortando o número de passageiros em vôos para o campo e ônibus para deixar assentos vazios entre eles. A empresa também reduziu sua equipe no local para 1,5 mil trabalhadores essenciais, comparado a cerca de 4 mil.

Um porta-voz da empresa imperial disse que quase todos os infectados se recuperaram e que não há casos ativos em Kearl.

Os operadores do campo de trabalho e das plataformas no mar podem limitar a propagação viral se puderem testar todos os trabalhadores de maneira eficaz e manter um distanciamento e saneamento social adequados, disse Conor Browne, consultor de biossegurança com sede em Belfast. Mas as condições de trabalho próximas também podem fazer com que a doença se espalhe rapidamente se uma infecção invadir. “Quando a infecção entra, você tem um grande problema”, disse Browne.

Equinor
A maior empresa da Noruega, a gigante da energia Equinor — anteriormente conhecida como Statoil — fez esforços em abril para manter a expansão do projeto Snorre na plataforma continental norueguesa. Usando o maior guindaste flutuante do mundo para mover equipamentos para a plataforma com trabalhadores especializados, as equipes mantiveram distância construindo uma barraca para abrigar temporariamente os trabalhadores do guindaste.

A Equinor também cortou pessoal no exterior para permitir o distanciamento social depois que um membro da equipe que trabalha no campo de petróleo e gás de Martin Linge, no Mar do Norte, testou positivo em março. A empresa decidiu reduzir o número de pessoas que trabalham em plataformas, de 6 mil para 4 mil. Não houve outros casos em plataformas na Noruega.

Para os trabalhadores nas plataformas, os rodízios na plataformas se estenderam para três semanas em vez de duas. Áreas comuns estão fora de consideração.

Os trabalhadores foram criativos para lidar com a situação. Com as academias fechadas, as bicicletas ergométricas foram movidas para os helipontos, que também foram transformados em espaço para corrida e ioga. A pesca se tornou ainda mais popular e o bingo da noite de sábado é transmitido via rádio para as cabines.

“Uma fita métrica foi provavelmente uma das ferramentas mais importantes que tínhamos nos primeiros dias”, disse Jez Averty, vice-presidente sênior de operações da Equinor no sul do Mar do Norte.

Fonte: Valor


Marintec Navalshore



Assine Portos e Navios

Ecobrasil fundo transp Intermodal
  Thermo Solutions     Assine Portos e Navios

  Catálogo da Indústria Marítima

 

 

  Antaq

 

Tche Digital

 

 

Marintec Navalshore

 

Sinaval   Abratec