Bimco

ANP faz 1º teste da oferta permanente de óleo e gás nesta terça

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) inaugura, nesta terça-feira (10), uma nova modalidade de leilão, a oferta permanente, que funcionará como uma espécie de oferta “on demand” de áreas de óleo e gás para petroleiras.

O primeiro teste desse novo modelo ofertará, amanhã, 273 blocos exploratórios e 14 áreas inativas com acumulações marginais. Ao todo, 47 pequenas, médias e grandes empresas do setor estão inscritas para participar da licitação.

A oferta permanente consiste num novo mecanismo pelo qual o órgão regulador coloca à disposição do mercado, permanentemente, um pacote de ativos para compra sob demanda. Campos de baixa produção, devolvidos à União pelos antigos detentores da concessão, e blocos exploratórios ofertados em leilões anteriores, mas não arrematados, fazem parte desse pacote.

Publicidade
Catálogo da Indústria Marítima

 

Pelo novo mecanismo, esse cardápio de ativos fica disponível para que as empresas, a qualquer momento, manifestem o interesse em adquirir as áreas ofertadas. Se houver interesse por parte das companhias, a ANP chama uma sessão pública de ofertas, para que outras empresas possam competir pelas áreas. Nesse caso, o órgão regulador oferta não só aquele ativo que tenha despertado interesse, mas todas as áreas que estão dentro daquele setor, ou seja, das regiões que concentram os blocos que despertaram o interesse.

Com a oferta permanente, as petroleiras não precisam esperar as rodadas de licitações para terem oportunidades de aquisição. Um dos principais atrativos desse novo modelo, segundo a ANP, é que ele permite que as empresas estudem por mais tempo as áreas selecionadas. Numa rodada convencional, os geólogos geralmente têm um prazo delimitado para avaliar as áreas disponibilizadas. Agora, passam a ter uma perspectiva de oferta contínua de ativos.

A maioria dos ativos disponibilizados pela ANP na oferta permanente são terrestres. A intenção da agência é encerrar com as rodadas de licitações de áreas onshore e só ofertá-las pelo novo mecanismo. Num primeiro ciclo, amanhã, as petroleiras poderão apresentar propostas por cerca de 290 ativos, localizados nas bacias de Parnaíba (MA/PI), Potiguar (RN), Recôncavo (BA) e Espírito Santo (ES). O cardápio de áreas disponíveis na oferta permanente, contudo, é de 600 blocos atualmente. A intenção do órgão regulador é elevar esse número para cerca de 2 mil ativos.

Se todos os ativos ofertados forem negociados, nesta terça, com base no bônus de assinatura mínimo, a União poderá arrecadar R$ 296 milhões – valor muito abaixo daqueles envolvidos nas rodadas do pré-sal e águas profundas. A grande expectativa da ANP, contudo, não está no potencial de arrecadação da oferta permanente, e sim na sua vocação para dinamizar, sobretudo, a indústria de óleo e gás terrestre. O diretor-geral da ANP, Décio Oddone, está otimista.

“Vamos ter um sucesso muito maior do que o esperado na oferta permanente. Imaginávamos [inicialmente] que haveria interesse por apenas um setor e estamos ofertando 15. A arrecadação não é o foco nessa rodada, porque os bônus de assinatura são menores. São áreas que já foram leiloadas no passado e não tiveram interessados. O foco é atração de investimentos. E acho que, do ponto de vista da atração de investimentos e retomada das atividades terrestres, vai ser espetacular”, disse Oddone, em declaração recente à imprensa.

Fonte: Valor

Comentários

 

 

Reportagens da edição 702

Presença a bordo

08 Jul 2019 18:07 Navegação

Empresas pedem manutenção das vagas na formação para não faltar marítimos. Sindicato cobra equilíbrio entre oferta e demanda • O mercado de navegação no Brasil apresenta oferta de marítimos superior à...

Legal Seminar

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

Considerado o mais importante mercado “offshore” fora do Mar do Norte, o Brasil também atraiu a atenção de armadores noruegueses em evento paralelo • A primeira apresentação deu uma visão das...

Mercado de gás

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

As oportunidades no setor de gás no Brasil também foram debatidas no evento.  A superintendente de Oléo e Gás do estado do Rio de Janeiro, Cristina Pinho, deu um quadro...

Brasil na Nor-Shipping

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

Pela terceira vez o Brasil promove um seminário durante o evento • Se neste ano o clima do evento em geral já era mais leve que nas edições anteriores, no caso...

ABB

Assine Portos e Navios

Consórcio Águas Azuis

Syndarma

OTC Brasil

Tche Digital

Assine Portos e Navios

Aapa

Abeam

Sobena

Sinaval Abratec