Os armadores têm de decidir de que maneira irão cumprir os requisitos da International Maritime Organization (IMO) para redução de emissões de enxofre, já que em 1º de janeiro de 2020 entra em vigor o novo regulamento. Após essa data, terão de operar usando combustíveis compatíveis com as emissões ou garantir que as emissões sejam limpas com com purificador (scrubber).

O diretor de operações da fabricante de scrubbers Goltens, Roy Strand, acredita que depuradores serão a escolha certa para muitos: “Quando as regulamentações de emissões forem aplicadas globalmente, o investimento em limpeza de exaustão fará mais sentido para muitos operadores. Haverá mais clientes que optam por investir em tecnologias de depuração devido ao claro retorno.”

Ele observou um grande aumento no interesse desde o início de 2018, com uma gama ampla de empresas que de fato se esforçam para utilizar depuradores. “Isso resultou em prazos de entrega mais longos e aumentou a concorrência entre alguns dos principais fabricantes de depuradores.”

 

No Relatório IMO 2020 da Skandinaviska Enskilda Banken AB (SEB), estima-se que menos de duas mil embarcações sejam equipadas com depuradores até a data de implementação.

O relatório do SEB destaca que a abordagem de “esperar para ver” de muitos armadores é agravada pelo fato de que os proprietários pagam por depuradores (CAPEX) e fretadores pagam pelo combustível (OPEX). Se a maioria das embarcações estiver operando sem depuradores, os preços de mercado para os combustíveis serão estabelecidos por esses navios.

Comentários


Schottel

Assine Portos e Navios



Syndarma

ABTP

Antaq

TMSA

Assine Portos e Navios

Abeam

Sobena

Terra Firma Abratec