Impasse no fornecimento

Sanção a armador estrangeiro dificultou a venda de combustível a navios iranianos pela Petrobras

• Durou quase dois meses a negativa da Petrobras em fornecer combustível a graneleiros de bandeira iraniana ao largo do Porto de Paranaguá, que estavam sem quantidade suficiente do insumo para deixar o Brasil. A justificativa da estatal era que, caso abastecesse, poderia sofrer punições nos Estados Unidos porque os navios e o armador iraniano Sapid Shipping, proprietário dos ativos, estão sancionados por um órgão ligado ao Departamento de Tesouro do governo norte-americano. Os navios Bavand e Termeh permaneceram fundeados no porto paranaense até decisão do Supremo Tribunal Federal, que determinou o fornecimento pela Petrobras.

Restrito a assinantes