Governo espera avançar com novo marco legal da navegação em julho

O Ministério da Infraestrutura espera se articular para, em julho, dar início ao novo marco legal da navegação. O diretor do departamento de navegação e hidrovias do Ministério da Infraestrutura, Dino Antunes Batista, disse que a medida provisória ainda tem pontos abertos à discussão e salientou que o novo marco regulatório virá acompanhado de portarias do ministério e alterações nas regulamentações da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), que vão precisar estar em equilíbrio. Ele acredita que a tramitação da MP é mais segura para o mercado, na medida em que tem os ritos determinados, enquanto projetos de lei costumam sofrer muitas alterações no Congresso.

Batista ressaltou que o momento é de retomar a estabilidade regulatória a partir da alteração do marco atual (Lei 9432/1997) e da Lei 10893/2004, que dispõe sobre o Fundo da Marinha Mercante (FMM) e o Adicional ao Frete para a Renovação da Marinha Mercante (AFRMM). “O novo arcabouço jurídico será entendido pelos armadores e usuários como algo robusto, que substituirá a legislação atual que durou anos com bons resultados, mas já está exaurida”, declarou Batista, durante seminário sobre cabotagem realizado, na última terça-feira (26), na OAB-RJ.

A alteração da Lei 9432/97 será voltada para a cabotagem que gera frete, visando atingir o transporte de 2,7 milhões de contêineres por ano até o final de 2022. O programa de estímulo à cabotagem a ser lançado oficialmente no próximo mês, chamado de “BR do Mar”, terá como meta aumentar a frota marítima que trafega no Brasil em 40%, em tonelagem de porte bruto, até o término de 2022 — sem considerar os navios do sistema Petrobras/Transpetro. Também está na pauta a redução de tributos, em especial a tentativa de eliminar a cobrança do ICMS do bunker para navios da cabotagem até o fim de 2019.

O entendimento do governo é que o desenvolvimento do modal é a solução com mais velocidade e menos custos de investimentos públicos, além de ampliar e equilibrar a matriz de transportes do país. “As alterações têm que ser tempestivas para que não tenhamos paralisação total dos investimentos. Precisamos de decisões de longo prazo”, afirmou Batista.

Ele contou que a pasta vem mantendo agenda desde fevereiro com diversos estudos e grupos de trabalho sobre cabotagem. Ele relata discussões com agentes do governo, com empresas associadas e não associadas à Abac (armadores), Sinaval (estaleiros), e entidades como CNI (indústria), CNA (agronegócio), ANUT (usuários de transporte de carga) e Aprosoja (produtores). Para essa semana, também está prevista uma reunião com representantes do segmento de marítimos.

Comentários

 

 

Reportagens da edição 702

Presença a bordo

08 Jul 2019 18:07 Navegação

Empresas pedem manutenção das vagas na formação para não faltar marítimos. Sindicato cobra equilíbrio entre oferta e demanda • O mercado de navegação no Brasil apresenta oferta de marítimos superior à...

Legal Seminar

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

Considerado o mais importante mercado “offshore” fora do Mar do Norte, o Brasil também atraiu a atenção de armadores noruegueses em evento paralelo • A primeira apresentação deu uma visão das...

Mercado de gás

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

As oportunidades no setor de gás no Brasil também foram debatidas no evento.  A superintendente de Oléo e Gás do estado do Rio de Janeiro, Cristina Pinho, deu um quadro...

Brasil na Nor-Shipping

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

Pela terceira vez o Brasil promove um seminário durante o evento • Se neste ano o clima do evento em geral já era mais leve que nas edições anteriores, no caso...

Leia mais reportagens da edição impressa

Cash Computadores

Kincaid

Consórcio Águas Azuis

Container Institute

Abac

Tche Digital

Assine Portos e Navios

Aapa

Abeam

Sinaval

Fenavega Abratec