Seminário Cenários da Indústria naval e Offshore 2019

Fretes e seguros sobem no Oriente Médio pelo de risco de guerra

A escalada na retórica d guerra, os ataques a navios-tanque e o abatimento de um drone nos Estados Unidos aumentaram o custo do transporte de petróleo do Oriente Médio, já que os riscos geopolíticos forçam alta dos prêmios de seguro para as empresas marítimas que operam no Estreito de Hormuz.

"Seguradores de risco de guerra estão cobrando prêmios adicionais por ligações para o Golfo Pérsico / Golfo de Omã", disse a Bimco, maior associação de armadores do mundo, em comunicado aos seus membros.

Em contraste com a baixa reação anterior ao aumento das tensões, os preços do petróleo subiram acima de US $ 65 por barril para o Brent, com os distribuidores cobrando uma taxa fixa para toda a tonelagem em operação na região.

Publicidade
Catálogo da Indústria Marítima

 

O abate de um avião não tripulado dos EUA pelo Irá levou a Casa Branca a se preparar para ataques de retaliação na quinta-feira, levando a temores de uma guerra em larga escala no Oriente Médio. No entanto, o presidente dos EUA, Donald Trump, cancelou a investida.

A escalada das tensões regionais, que vêm aumentando depois dos ataques contra navios-tanque que transportam petróleo bruto dos Emirados Árabes Unidos e da Arábia Saudita na semana passada, desencadeou uma recuperação no mercado de petróleo, os fretes. Um terço do petróleo do mundo percorre o Estreito de Hormuz, responsável por quase 18,5 milhões de barris por dia.

Os números citados pela Bloomberg sugerem que o embarque de uma carga média de dois milhões de barris da Arábia Saudita para a China dobrou para quase US$ 26 mil na quinta-feira, o dobro da taxa usual, segundo a Baltic Exchange em Londres. As taxas de seguro também dispararam, com prêmios em média de US$ 180 mil após os incidentes, em comparação com a taxa atual de US$ 30 mil no início deste ano.

Em maio, quatro petroleiros, incluindo dois pertencentes à Saudi Aramco, sofreram danos significativos na costa do emirado de Fujairah, nos Emirados Árabes Unidos. Mais recentemente, dois petroleiros, um operado por uma empresa japonesa e outro por uma companhia marítima norueguesa, foram atacados no Golfo de Omã. O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, apontou o dedo para o Irã, que no passado fez ameaças para fechar o estreito de Ormuz.

Embora nenhum dos ataques tenha agido significativamente sobre os preços do petróleo, eles tornaram o transporte de petróleo bruto, produtos e gás natural liquefeito através do estreito gargalo mais caro.

O petróleo, que permaneceu indiferente à tensão regional devido ao impasse entre os EUA e a China e o elevado estoque de petróleo dos EUA, deverá subir mais.

Comentários

 

 

Reportagens da edição 702

Presença a bordo

08 Jul 2019 18:07 Navegação

Empresas pedem manutenção das vagas na formação para não faltar marítimos. Sindicato cobra equilíbrio entre oferta e demanda • O mercado de navegação no Brasil apresenta oferta de marítimos superior à...

Legal Seminar

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

Considerado o mais importante mercado “offshore” fora do Mar do Norte, o Brasil também atraiu a atenção de armadores noruegueses em evento paralelo • A primeira apresentação deu uma visão das...

Mercado de gás

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

As oportunidades no setor de gás no Brasil também foram debatidas no evento.  A superintendente de Oléo e Gás do estado do Rio de Janeiro, Cristina Pinho, deu um quadro...

Brasil na Nor-Shipping

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

Pela terceira vez o Brasil promove um seminário durante o evento • Se neste ano o clima do evento em geral já era mais leve que nas edições anteriores, no caso...

Leia mais reportagens da edição impressa

Cash Computadores

Assine Portos e Navios

Consórcio Águas Azuis

Container Institute

Tche Digital

Sobena

Aapa

ABTP

Sinaval

Fenavega Abratec