AdvertisementAGI Brasil

Crise de mudança de tripulação se aprofunda e 400 mil marítimos estão retidos no mar

Cerca de 400 mil marítimos de todo o mundo estão agora retidos em navios, continuando a trabalhar, mas não podem ser substituídos por causa da pandemia da Covid-19. O número foi divulgado pela Organização Marítima Internacional (IMO), que anuncia uma crise cada vez maior na mudança de tripulação.

Durante um evento paralelo à Assembleia Geral das Nações Unidas realizado em 24 de setembro, o capitão Hedi Marzougui, que comandou um navio entre dezembro de 2019 e maio de 2020, apelou aos governos para que ajam para permitir que os marítimos voltem para casa.

"Não saber quando ou se voltaremos para casa traz um grande dano mental para minha tripulação e para mim", disse Marzougui. “Eu encorajaria cada um de vocês a pensar em como se sentiriam, se tivessem que trabalhar todos os dias, por 12 horas, sem fins de semana, sem ver seus entes queridos e presos no mar. Agora acrescente que você tem para fazer isso sem nenhuma ideia de quando você será repatriado. "

As restrições da pandemia Covid-19 sobre viagens e trânsito afetaram severamente os marítimos. Apesar dos vários pedidos aos governos para designá-los como trabalhadores essenciais e facilitar suas viagens, o número de marítimos cujos contratos foram prorrogados por vários meses continuou a aumentar. Alguns marítimos já estão no mar há 17 meses sem interrupção, muito além do limite de 11 meses estabelecido na Convenção do Trabalho Marítimo (MLC). Além dos 400 mil marítimos presos no mar, outros 400 mil não podem embarcar.


Catálogo da Indústria Marítima


Isso ameaça os fundamentos das normas de segurança de navios que a IMO desenvolveu ao longo de seis décadas, disse o secretário-geral da IMO, Kitack Lim, no evento online, que reuniu líderes de grandes empresas globais, a indústria marítima, governo, ONU e sindicatos.

Em nota lida no evento, para assinalar o Dia Mundial do Mar de 2020, o secretário-geral da ONU, António Guterres, reiterou a sua preocupação com os marítimos encalhados no mar. Ele renovou seu apelo aos governos "para resolverem sua situação, designando formalmente os marítimos e outros funcionários da marinha como 'trabalhadores-chave', garantindo mudanças seguras de tripulação e implementando os protocolos desenvolvidos pelas agências da ONU, bem como pela Câmara Internacional de Navegação e pelo Transporte Internacional Federação dos Trabalhadores, permitindo que marítimos retidos sejam repatriados e outros embarquem. "

Sanda Ojiambo, CEO e diretora executiva do Pacto Global da ONU, a maior iniciativa de sustentabilidade corporativa do mundo, incentivou as empresas a apelar aos governos para que acabem com os abusos trabalhistas que os marítimos estão sofrendo, observando que os Dez Princípios do Pacto Global da ONU representam pilares negócios que "estão ligados à crise humanitária, econômica e de segurança que se desenvolve em nossos mares".

Ministros de Transporte e Marítimo do Canadá, França, Quênia, Panamá e Filipinas também participaram do evento virtual. Eles instaram outros governos a se unirem a eles na designação dos marítimos como trabalhadores essenciais, implementando medidas para a troca segura da tripulação e facilitando o trânsito seguro da Covid para os marítimos.

A reunião foi convocada pelo Pacto Global da ONU, a IMO e a Organização Internacional do Trabalho, em colaboração com a Câmara Internacional de Navegação e a Federação Internacional dos Trabalhadores em Transporte.


Marintec Navalshore