Great Ocean

Comitê Ambiental da IMO aprova alterações para reduzir as emissões dos navios

Projetos de emendas à convenção MARPOL exigiriam que os navios combinassem uma abordagem técnica e operacional para reduzir sua intensidade de carbono

Projetos de novos regulamentos para reduzir a intensidade de carbono dos navios foram aprovados pelo Comitê de Proteção do Meio Ambiente Marinho (MEPC) da Organização Marítima Internacional (IMO).

O MEPC também acordou os termos de referência para avaliar os possíveis impactos sobre os Estados, prestando especial atenção às necessidades dos países em desenvolvimento, em particular os Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento (SIDS) e os países menos desenvolvidos (LDCs).

O projeto de emendas à convenção MARPOL exigiria que os navios combinassem uma abordagem técnica e operacional para reduzir sua intensidade de carbono. Isso está de acordo com a ambição da Estratégia Inicial de GEE da IMO, que visa reduzir a intensidade de carbono do transporte marítimo internacional em 40% até 2030, em comparação com 2008. As alterações foram desenvolvidas pela sétima sessão do Grupo de Trabalho Intersessional sobre Redução de GEE Emissões de navios (ISWG-GHG 7), realizada em reunião remota de 19 a 23 de outubro de 2020.

Os projetos de alteração serão agora apresentados para adoção formal na sessão do MEPC 76, em 2021.


TMSA


O progresso no desenvolvimento das medidas de curto prazo segue o cronograma estabelecido na estratégia inicial de GEE da IMO. A estratégia propõe que as medidas de curto prazo sejam aquelas finalizadas e acordadas pelo Comitê entre 2018 e 2023.

Rascunho de alterações MARPOL

O projeto de alterações adicionaria novos requisitos às medidas de eficiência energética no Anexo VI da MARPOL, capítulo 4. Os requisitos atuais são baseados no Índice de Projeto de Eficiência Energética (EEDI), para novas construções, o que significa que eles devem ser projetados para serem energeticamente mais eficientes. E o Plano de Gerenciamento de Eficiência Energética de Navios (SEEMP) deve ser obrigatório para todos os navios. O SEEMP prevê que os operadores de navios tenham um plano para melhorar a eficiência energética por meio de uma variedade de medidas específicas.

O projeto baseia-se nessas medidas, trazendo requisitos para avaliar e medir a eficiência energética de todos os navios e definir os valores de alcance exigidos.

O conjunto de alterações inclui: a exigência técnica de redução da intensidade de carbono, com base em um novo Índice de Eficiência Energética de Navios Existentes (EEXI); e os requisitos de redução da intensidade de carbono operacional, com base em um novo indicador de intensidade de carbono operacional (CII).

A abordagem dupla visa abordar medidas técnicas (como o navio é adaptado e equipado) e operacionais (como o navio opera).

Índice de Eficiência Energética Existente (EEXI) alcançado e necessário

O Índice de Eficiência Energética Existente de Navios (EEXI) atingido deve ser calculado para navios de 400 gt e acima, de acordo com os diferentes valores definidos para tipos de navios e categorias de tamanho.

Os navios devem atender a um Índice de Eficiência Energética Existente (EEXI), que é baseado em um fator de redução exigido (expresso como uma porcentagem em relação à linha de base do EEDI).

Indicador operacional anual de intensidade de carbono (CII) e classificação CII

O tratado MARPOL exige que os projetos de emendas sejam circulados por um período mínimo de seis meses antes da adoção, e eles podem entrar em vigor após um mínimo de 16 meses após a adoção. Os procedimentos de emenda são definidos no próprio tratado.


Marintec Navalshore




Hidromares

Assine o Notícias do dia

Catálogo da Indústria Marítima

Priner fundo transp Terlogs
  Mampaey     Assine Portos e Navios

  Catálogo da Indústria Marítima

 

 

  Antaq

 

Tche Digital

 

 

Marintec Navalshore

 

Sinaval   Abratec