Marintec Navalshore

China apoia a aplicação de regras obrigatórias de eficiência a todos os navios existentes no mundo

A China e o Brasil enviaram um documento à Organização Marítima Internacional (IMO) para apoiar a aplicação de regras obrigatórias de eficiência a todos os 60 mil navios existentes no mundo, não apenas aos poucos navios recém-construídos a cada ano, a uma taxa de substituição de 25 a 30 anos.

A China está adicionando seu peso diplomático por trás do mesmo tipo de medidas apoiadas por quase todos os estados europeus liderados por França, Dinamarca, Alemanha, pequenos Estados insulares do Pacífico e Chile e México.

“O mecanismo de classificação obrigatório proposto, baseado em objetivos, proporcionaria um impulso para os navios melhorarem seu desempenho operacional por meio da abordagem mais econômica. Os méritos do mecanismo estão na flexibilidade na escolha de métodos adequados para atingir as metas e nas possíveis estratégias de incentivo implementadas pelos portos e outras partes interessadas para navios com desempenho superior. Para navios com desempenho inferior, serão tomadas as ações corretivas necessárias, garantindo a consecução dos níveis de ambição da Estratégia Inicial ”, afirma o trabalho apresentado pela China e pelo Brasil no início deste ano.

Publicidade

Marintec Navalshore

 

A versão da China carece de detalhes sobre a aplicação da lei, mas especialistas sugerem que isso poderia ser resolvido nas negociações assim que a IMO retomar suas reuniões quando o coronavírus passar.

A China, como maior exportador mundial de mercadorias e maior construtor de navios, tem uma enorme influência dentro da IMO. Seu apoio foi crucial para a adoção da Estratégia Inicial da IMO para a redução de GEE em 2018, mas não ficou claro até recentemente se Pequim apoiaria realmente as medidas de curto prazo necessárias para alcançar isso, como regras de eficiência operacional aplicáveis a navios existentes.

A próxima reunião da IMO do Comitê de Proteção Ambiental Marinha (MEPC) está arquivada por enquanto, enquanto o Reino Unido está bloqueado contra o coronavírus. Quando o órgão da ONU retomar negócios regulares e o MEPC finalmente se reunir, serão discutidas medidas de curto prazo para reduzir a pegada de carbono do transporte marítimo.

Fonte: Splash247



Assine Portos e Navios

Conapra fundo transp Intermodal
  Thermo Solutions     Assine Portos e Navios

  Catálogo da Indústria Marítima

 

 

  Anuncie PN

 

Tche Digital

 

 

 

Sinaval   Abratec