Cerimônia - Centro de Capitães homenageia comandante

O Centro de Capitães da Marinha Mercante homenageou, com um quadro contendo a foto do liner M/S Calandrini, o comandante Ernesto Calandrini de Azevedo Matos, que morreu a serviço da marinha brasileira, no dia 14 de março de 1976, enquanto navegava pelo Atlântico Norte próximo às Ilhas Canárias. O comandante havia levado um grupo de praticantes que estavam a bordo do navio N/M Itaimbé para o compartimento de CO², com o objetivo de instruí-los sobre como agir em casos de incêndio. No entanto, um tripulante esbarrou em um dos extintores, acionando a válvula, o que inundou todo o compartimento de gás carbônico. Como a área era estreita e só podia passar uma pessoa por vez, Calandrini ordenou a evacuação e esperou até que todos saíssem e estivessem a salvo.
O ato heróico custou a vida do comandante, que foi o único a morrer, conforme relatou o presidente do Centro dos Capitães, Álvaro José de Almeida Junior, em discurso durante a cerimônia realizada em março, na sede da entidade. “Em uma guerra, os guerreiros matam para não morrer. Com o comandante Calandrini aconteceu o contrário, ele morreu para salvar vidas. Esse foi um verdadeiro ato de altruísmo, de desprendimento e de amor ao próximo”, resumiu ele.
O liner polonês recebeu o nome de M/S Calandrini por decisão do almirante Jonas Ribeiro da Costa. Segundo Álvaro José, ato de homenagem similar a esse não acontece há cerca de pelo menos 100 anos. Muito emocionada, a viúva do comandante, Josephina Calandrini Matos, fez o descerramento da foto, em companhia de dois dos seus três filhos, Ruth Helena e Ernesto — um deles, Antônio, seguiu os passos do pai e estava embarcado durante a cerimônia.

Priner     Terlogs     Mampaey     AAPA
             

Tche Digital

 

 

Sinaval

 

  Sinaval   Assine Portos e Navios