Representantes do Ministério de Relações Exteriores (MRE) e da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) fizeram uma reunião técnica, na manhã desta terça-feira (11), sobre o acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia. O encontro, que ocorreu na sede da Antaq em Brasília, contou com a participação do diretor do departamento de negociações extrarregionais do MRE, André Odenbreit, e do diretor-geral da Antaq, Mário Povia. De acordo com a agência, o objetivo da reunião foi tirar dúvidas sobre um possível acordo entre os blocos econômicos.

Na pauta, o impacto para o transporte marítimo regional, em caso de aprovação do acordo, cujos termos estão em discussão há quase 20 anos. Nos últimos meses, as empresas brasileiras de navegação têm alertado o governo brasileiro de que o transporte marítimo nacional poderia ser prejudicado se a chamada cabotagem regional fosse aberta a empresas europeias de navegação, como contrapartida à assinatura do acordo. 

Na reunião na Antaq também estiveram o conselheiro George Marques, chefe da divisão de negociações de serviços do MRE, além de: Ana Harumi (coordenadora de relações internacionais-CRI). Pela Antaq, Bruno Pinheiro (superintendência de regulação-SRG); Sérgio Augusto Nogueira (gerência de regulação portuária-GRP); Rodrigo Trajano (Gerência de regulação marítima-GRM) e Augusto Berton (gerência de afretamento da navegação-GAF). 

 

Portos e Navios apurou que, também nesta semana, ocorre uma rodada de reuniões com os negociadores para tratar do acordo no Uruguai.  A ideia inicial, segundo uma fonte que preferiu não ser identificada, é tentar uma aproximação das propostas porque a Europa estaria reticente em abrir mão do que Mercosul estava pedindo. A fonte acredita que, como o momento político brasileiro é de transição e existem posições diferentes em relação ao Mercosul no governo eleito, o acordo entre os blocos pode ser adiado. Outra fonte ouvida também não vê esse acordo saindo do papel. "Ainda tem muita coisa para costurar e os demais países do Mercosul querem saber como o Brasil vai se portar para depois decidir como eles vão se posicionar", comentou.

 

Por Danilo Oliveira
(Da Redação)

Comentários

Cash Computadores

Mackay Marine

Oceanpact

Syndarma

ABTP

Abac

Tche Digital

TMSA

Assine Portos e Navios

Abeam

Sobena

Fenavega Abratec

 

Ecobrasil