Aberta a temporada de trabalho em navios

Os processos seletivos para a contratação de brasileiros e estrangeiros interessados em trabalhar nos cruzeiros internacionais intensificam neste mês. A semana já inicia com mil vagas abertas para diversas funções em cruzeiros de altíssimo luxo (classificação de 6 estrelas). Porém, foi-se o tempo em que a oportunidade de trabalho e a qualificação profissional da mão-de-obra imperavam sobre as razões da importância do setor na economia brasileira.
Arte: Edgar Larsen

De acordo com a Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos (Abremar), o mercado brasileiro de cruzeiros marítimos recebeu na última temporada aproximadamente 800 mil cruzeiristas. O número nacional é irrisório se comparado ao país líder neste segmento Estados Unidos que atendeu 10,1 milhões de cruzeiristas na temporada 2010/2011, porém, com um crescimento ininterrupto e significativo ao logo de sete temporadas consecutivas. O Brasil partiu de um público que beirava 140 mil na temporada 2004/2005 e, para próxima, promete romper a marca mais recente de exatos 792.752 cruzeiristas.

Os desdobramentos do setor sobre a economia vão além da geração de empregos e entrada de divisas para o país. Segundo o diagnóstico realizado pela Abremar junto a Fundação Getúlio Vargas (FGV), a promoção de destinos turísticos terrestres dos países que investem no mercado de cruzeiros é um dos reflexos mais importantes para o desenvolvimento das cidades portuárias e vizinhas ao porto que está na rota dos cruzeiros. A antiga demanda da população de Paranaguá sobre construção do Terminal de Passageiros para o Porto, projeto que está em andamento na atual gestão, está totalmente respaldada nas oportunidades que se abrem com uma população com poder aquisitivo elevado e que, se bem atendida, divulga mundialmente as atrações dos lugares visitados. Dados do Anuário Estatístico do Ministério do Turismo apontam um incremento acumulado do número de chegadas de turistas internacionais, por via marítima, de 182%, no período de 2003 a 2010, enquanto que, no mesmo período, o crescimento do número de chegadas de turistas estrangeiros pelas diferentes vias de acesso, no Brasil, totalizou 23%.
Arte: Edgar Larsen

Claro que para desfrutar de números ainda mais exuberantes, o Brasil precisa resolver velhas questões como infraestrutura portuária e, nesse aspecto, Paranaguá ilustra bem um problema recorrente nos destinos brasileiros a ausência de diferenciação entre terminal de cargas e passageiros. Outro gargalo é o alto valor das taxas operacionais praticadas nos portos brasileiros.

Na avaliação da sócia-gerente da empresa Ceceth Work on Board, Isabela Moreira Teixeira, especializada em recrutamento de profissionais para cruzeiros internacionais de alto luxo, o Brasil poderia ganhar muito se resolvesse os obstáculos ao desenvolvimento do setor. “É um setor que possui uma clientela fiel e na qual a crise nunca chega. Em, 2008, em meio à crise mundial, as companhias para as quais recrutamos gente para integrar a tripulação do navio seguiram operando normalmente”, destaca. “O mesmo está ocorrendo agora. Nossa empresa segue crescendo mesmo atendendo, exclusivamente, a costa internacional e, sobretudo, as maiores companhias marítimas norte-americanas”, acrescenta.

Vagas

Nesta segunda e terça-feira (8 e 9) de agosto, a Ceceth vai selecionar mil profissionais para as companhias Oceania Cruises, Regente Seven Seas  e Ocean Star. Os salários são a partir de US$ 700. São mil vagas para brasileiros ou estrangeiros, acima de 21 anos, com inglês ou espanhol fluente. As vagas abrangem: recepcionistas;  assistente de garçom; cozinheiros; vendedores de lojas, vendedores de joalheria, garçons de bar, camareiros animadores e fotógrafos.

Os contratos regem normas internacionais. O selecionado fica em atividade entre seis e oito meses, com uma jornada intensa de trabalho, de 11 horas, sete dias por semana, e com apenas algumas horas de folga. Vale destacar que a Ceceth realiza um processo permanente de recrutamento. “Há vagas para várias companhias e para vários tipos de profissionais. Também contratamos enfermeiros, médicos, etc”, informa Isabela. Aliás, além dos cruzeiros, a Ceceth atende demandas específicas. Atualmente, a empresa está selecionando 30 médicos, de diversas especialidades, para trabalhar em plataforma petrolífera no regime de 35 dias em mar com carga horária de 8 horas/dia. A remuneração é de US$ 25 mil.
Arquivo pessoal
Marcos: "Os ensinamentos diários".

Na avaliação de Isabela um dos pontos cruciais para ser selecionado para trabalhar em cruzeiro ou plataforma é a condição psicológica. “Procuramos pessoas que saibam lidar com pessoas, confiantes e com equilíbrio emocional”, sintetiza.

Conhecer 54 países sem gastar nada

Os brasileiros ainda são minoria na tripulação dos cruzeiros internacionais, porém, aqueles que enveredam por esse caminho vivem uma experiência extraordinária, mas com data para terminar. “Os ensinamentos são diários. Você aprende que o mesmo Sol que se põe às 18 h no Brasil, se põe às 21h na Itália e à 23h na Escandinávia. Na Dinamarca, às 3h ele já está nascendo. Aprende que nas Filipinas se fala tagalo e que Bahamas é um país composto por mais de 700 ilhas, e não apenas mais uma ilha do Caribe”, conta o chefe de departamento (Head Broadcast Technician) da Royal Caribbean Internacional, Marcos Farion, que embarcou há três semanas em um Cruzeiro para o Mar Mediterrâneo, que passará pela Espanha, Itália e França, e só retornará ao Brasil em fevereiro de 2012. “Calculo que já conheci 23 países”, conta Farion, que está no quarto contrato em cruzeiros.
Arquivo pessoal
Janaína conheceu 54 países ao longo de seis temporadas.

A relações públicas Janaína Santana, que acabou de voltar daquele que foi seu último cruzeiro, conseguiu conhecer 54 países, durante os cinco contratos em que ela integrou a tripulação. “A vida no mar vicia, por isso sei que vai ser difícil se acostumar, mas pretendo fazer carreira em terra daqui em diante”, conta Janaína. Segundo ela, a vida no mar possibilita um crescimento profissional e pessoal diferenciado, mas exige dedicação. “Navio não é para qualquer um, o trabalho é puxado, são somente algumas horas de folga e você convive com colegas de trabalho de 45 nacionalidades diferentes”, enumera Janaína.

Janaína e Marcos dizem que a remuneração não é o ponto que mais atrai quem opta por trabalhar no mar. “Se você não gastar nos destinos, conseguirá juntar um bom capital”, orienta Janaína. Ambos também dizem que a limitação na evolução da carreira e anseios como o de formar uma família são os principais motivos para voltar para o trabalho terrestre. “Eu fui promovido a chefe do meu departamento com seis meses no primeiro contrato mas, agora, não tenho mais para onde subir”, acrescenta Farion.

Fonte:Magaléa Mazziotti

http://oestadodoparana.pron.com.br/economia/noticias/38763/?noticia=aberta-a-temporada-de-trabalho-em-navios


Catálogo da Indústria Marítima



Marintec Navalshore