Marintec Navalshore

Produtos e Serviços

Feira
Os investimentos previstos pela Petrobras na Bacia de Santos para os próximos anos é um dos grandes chamarizes para expositores da 7ª edição da Santos Offshore. O evento ocorrerá entre os dias 8 e 11 de abril no Mendes Convention Center, em Santos (SP), e já tem mais de 80% de sua área ocupada por empresas interessadas em apresentar produtos e serviços. Para Igor Tavares, diretor de Energia da Reed Exhibitions Alcantara Machado, organizadora do evento, a feira é a grande oportunidade para companhias fornecedoras de bens e serviços ganharem mais visibilidade no mercado local.

— Com o primeiro leilão do pré-sal sob regime de partilha e a intensificação das atividades de exploração na Bacia de Santos, as oportunidades das empresas, de todos os portes, de se instalarem na região e alavancarem os negócios, fornecendo seus produtos ou serviços para este mercado, são enormes”, diz Tavares. Em parceria com a Associação Comercial de Santos (ACS), a Santos Offshore contará com a presença de grandes companhias do mercado como Petrobras, Alpha Market, Bomcobras, Conex, Maxtil, Malfex, Trexcon, Zouil, entre outras.

Para esta edição da feira, a organização da Santos Offshore espera reunir 200 expositores e receber cerca de 18 mil visitantes. Além das oportunidades que surgirão com os investimentos previstos pela Petrobras, outro destaque do evento serão as Rodadas de Negócios, promovidas pelo Competro, Ciesp/Fiesp e Sebrae-SP.

As Rodadas de Negócios utilizarão a metodologia da Organização Nacional da Indústria do Petróleo (ONIP). O superintendente da ONIP, Alfredo Renault, acredita que o momento em que o mercado petrolífero vive é muito promissor e os números movimentados durante o evento deverão surpreender. “Este é um segmento que impulsiona o país. A Bacia de Santos tem um papel crescente neste setor, e a Santos Offshore tem tudo para crescer junto com este segmento.

 

Demag Cranes

A Terex Latin America incorporou a empresa Demag Cranes & Components, ampliando seu portfólio de produtos na região, que passa a contar com soluções completas para a movimentação de materiais. A Demag está há mais de 40 anos no mercado brasileiro e detém a liderança no setor de movimentação de materiais com uma ampla e moderna linha de pontes rolantes, talhas e componentes. Com esta transação, todos os direitos e obrigações da Demag serão sucedidos pela Terex.

 

Válvulas

A GE Oil & Gas integrou sua produção de válvulas à unidade de Campinas (SP) que já era responsável pela montagem de equipamentos da subdivisão de medição e controle. A unidade agora passa a fabricar válvulas de controle e válvulas de segurança e alívio. As primeiras são usadas na regulação do fluxo de fluidos e estão presentes em diversos setores industriais, como extração e refino de combustíveis.

Já as válvulas de segurança e alívio controlam a pressão interna de tanques, caldeiras e outros equipamentos. São usadas por diversas indústrias, em especial de petróleo e gás, papel e celulose e siderurgia. A unidade de Campinas tem capacidade de produção de três mil válvulas por ano.

 

Outokumpu

A siderúrgica finlandesa Outokumpu quer, através de seu escritório no Brasil, auxiliar empresas interessadas em reduzir custos siderúrgicos com estudos e projetos em diversos setores, como óleo e gás. A companhia atua nos segmentos industriais mais diversos, desde utensílios para cozinha e estéticos até aplicações nucleares, além da indústria do petróleo.

Recentemente, a multinacional, presente em mais de 30 países, adquiriu a Inoxum, divisão de aço inox da ThyssenKrupp. Com a aquisição, a empresa se tornou a maior fabricante de aços inoxidáveis do mundo, com receita aproximada de nove bilhões de euros.

A Outokumpu é líder mundial na fabricação e fornecimento de aços inoxidáveis Duplex. A principal característica desses produtos é a redução de custos de equipamentos através da diminuição de espessuras das paredes, pois contam com propriedades mecânicas que são, de maneira geral, o dobro em relação aos aços inoxidáveis mais comuns, como 304 e 316L, que a companhia também produz.

No setor de óleo e gás, a finlandesa fornece aplicações como: flowlines e risers, umbilicais, manifolds, trocadores de calor, caldeiras e queimadores, componentes estruturais e sistemas de segurança. Outros itens, como redução de consumíveis de solda, menor tempo de produção de equipamentos e menor custo de mão de obra e transporte, também contribuem para otimizar o resultados dos projetos.

 

Livro

O advogado e professor Osvaldo Agripino de Castro Júnior lançou o livro Marinha Mercante Brasileira — Longo Curso, Cabotagem e Bandeira de (In) Conveniência. A obra apresenta aspectos jurídicos e econômicos que envolvem o desenvolvimento do longo curso e da cabotagem brasileiras, a chamada bandeira de conveniência e o papel da Organização Mundial do Comércio (OMC) na regulação do setor.

A publicação da editora Aduaneiras tem 270 páginas e resulta de estudos do grupo de pesquisa Regulação da Infraestrutura e Juridicidade da Atividade Portuária, do Programa de Mestrado e Doutorado em Ciência Jurídica da Universidade do Vale do Itajaí (Univali).

O livro é voltado para usuários de serviços de transportes aquaviários, armadores, investidores, operadores de logística, portuários, advogados, engenheiros, agentes marítimos, prestadores de serviços portuários, despachantes aduaneiros, marítimos e reguladores brasileiros.

 

Totvs

A Totvs, empresa que atua no desenvolvimento de softwares de gestão empresarial, inaugura o Espaço Arena Totvs na sede da companhia, na zona norte de São Paulo. Com tecnologia de ponta e arquitetura arrojada, o ambiente será a porta de entrada para prospects, clientes e parceiros interessados em conhecer em detalhes as soluções da companhia. O espaço conta com cinco salas para demonstrações, auditório para 100 pessoas e automação de equipamentos e ambientes via tablets.

 

GMDSS

A Ulstein Belga Marine, fornecedora de equipamentos e serviços eletroeletrônicos para a indústria naval — empresa braço de serviços em eletrônica naval do Group Ulstein —, monta Centro de Treinamento em sua sede no Rio de Janeiro e passa a oferecer cursos para o setor marítimo. Entre os diversos cursos oferecidos pela empresa, o de reciclagem sobre o Sistema Global de Socorro e Segurança Marítima, na sigla em inglês GMDSS, destinado a oficiais de náutica e operadores de rádio de navios, é o de maior demanda.

As aulas, ministradas por instrutores especializados, serão teóricas e práticas, utilizando equipamentos GMDSS.
O primeiro curso do ano terá a duração de dois dias, acontecendo entre os dias 24 e 25 de março. Para esta primeira turma o curso será oferecido gratuitamente.

 

Liderroll

A Rússia concedeu à Liderroll a patente exclusiva do sistema de roletes motrizes da empresa brasileira, criado em 2011. Agora, além do Brasil, Estados Unidos e Canadá, a Rússia se soma aos países que reconheceram a inventividade e o ineditismo do produto brasileiro. Os roletes motrizes foram usados pela primeira vez em 2010, no lançamento de uma linha de 3,1 quilômetros do túnel do Gasduc, sob a Serra dos Gaviões, em Cachoeira de Macacu, que traz o gás da Bacia de Campos até a Reduc, em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro. Em 2011, o sistema foi aperfeiçoado para lançar o Gasoduto do Gastau no túnel de 5 quilômetros sob a Serra do Mar, em São Paulo. Exatamente neste túnel a Petrobras está se preparando para lançar duas outras linhas de dutos.

A Liderroll ainda mantem conversações para iniciar testes em diversas regiões internacionais onde oleodutos e gasodutos sofrem com a variação das temperaturas diurnas e noturnas, principalmente nos desertos do oriente médio.

 

Fábrica

A ABB inaugurou em 26 de fevereiro sua nova unidade fabril, em Sorocaba (SP). A planta possui cerca de 125 mil metros quadrados e produzirá motores, geradores, sistemas de acionamentos, eletrocentros e linhas de produtos de baixa tensão como interruptores e tomadas para atender à demanda local.

 

Marintec/Navalshore

Faltando pouco mais de seis meses para o evento, que ocorre de 12 a 14 de agosto no Rio de Janeiro, a organização da Marintec South America - 11ª Navalshore já alcançou números só esperados para abril. “Além de uma renovação recorde o evento já está com mais de 80% de espaços comercializados e com 14 pavilhões internacionais de países que são considerados referência para o setor, como por exemplo Noruega e Alemanha, e entre os países sul-americanos, Argentina e Uruguai”, destaca Renan Joel, gerente do evento.

Para Luiz Salgado, da Mitsubishi Heavy Industries do Brasil, que participa do evento há seis anos, marcar presença na Marintec South America - 11ª Navalshore é importante, pois, demonstra que a empresa está crescendo e se consolidado no mercado. “O formato do evento e o público presente é o mais adequado para o nosso segmento se comparado a outros eventos”, conclui Luiz Salgado.

O evento vem ampliando a participação de marcas internacionais a cada edição. A edição de 2013 fechou com 11 pavilhões internacionais. Já para 2014 o evento já conta com 14 pavilhões que trarão ao evento a tecnologia, as melhores práticas e soluções em produtos e serviços essenciais para o desenvolvimento da cadeia nacional. “É uma feira que ganhou principalmente o âmbito internacional, já não é uma feira local. Ela não trata aqui apenas dos fabricantes locais, há fabricantes de lugares que nunca estiveram aqui presentes no nosso mercado”, destaca César Prata, da Abimaq.

Organizado pela UBM, o evento acontece no Centro de Convenções SulAmérica, no Rio de Janeiro.

 

Silos

A Kepler Weber entregou sete silos com capacidade de 18 toneladas cada um para a Moinho Dias Branco, no porto de Aratu, em Salvador (BA). Este silos somam-se a outros quatro que a empresa já possuía, e que também haviam sido produzidos pela Kepler Weber. Os silos estão localizados no Terminal Cotegipe do porto e servirão para armazenar a soja produzida na região do município baiano de Luiz Eduardo Magalhães destinadas às exportações. Uma das maiores empresas brasileiras da área de alimentação, a Moinho Dias Branco também utilizará os novos equipamentos para armazenar o trigo importado pela empresa.

Além da produção e montagem dos sete silos, a Kepler Weber também instalou correias transportadoras, elevadores e toda a estrutura de sustentação dos equipamentos da M. Dias Branco no porto baiano.