Great Ocean

Editorial

O ano de 2013 termina com grandes expectativas para o setor de portos. Após o tortuoso processo de aprovação do novo marco regulatório, as atenções se voltam para o enorme potencial de negócios que serão gerados a partir de 2014. As licitações em curso, embora também tortuosas, abrem perspectivas para investidores, operadores e fornecedores de equipamentos e serviços. Além das licitações por ora travadas, os projetos em terminais privados fora do porto público não demoram a deslanchar. Um sinal claro do que está por vir reside na intensa atividade dos escritórios de advogados especializados contratados para deslindar as entrelinhas da lei dos portos e regulamentações da Antaq. Não passa uma semana sem que um novo evento reúna empresários em torno de especialistas e autoridades. O objetivo é contribuir para o aperfeiçoamento das normas, pressionar as autoridades e viabilizar negócios. O momento coincide com a mudança na direção da SEP. O novo ministro, Antônio Henrique da Silveira, de perfil técnico, tem gerado expectativa positiva entre os empresários. Ao assumir a pasta, ressaltou sua missão de abrir o setor portuário “para que tudo fique mais dinâmico”. Desde 2008, Silveira era secretário de Acompanhamento Econômico (Seae) do Ministério da Fazenda e o assunto portos não é novidade para ele.