Em leilão organizado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) nesta quinta-feira, a Shell Brasil Petróleo, uma subsidiária do Grupo Royal Dutch Shell plc (“Shell”), e seus parceiros Petrobras e Chevron ganharam um contrato de 35 anos para desenvolver o bloco de Três Marias, localizado no pré-sal na Bacia de Santos. Com isso, a empresa amplia seu portfólio em uma das regiões petrolíferas mais atraentes do mundo. A consórcio pagará R$ 100 milhões em bônus de assinatura do contrato na modalidade de partilha de produção. Os planos exploratórios detalhados para o bloco adquirido hoje ainda serão definidos pela Shell e seus parceiros. 

"O resultado deste quarto leilão de partilha de produção consolida o Brasil como um dos principais destinos dos investimentos da Shell em águas profundas e fortalece nosso compromisso com o país. Esta nova área na Bacia de Santos nos ajudará a construir um portfólio de classe mundial em uma das áreas prioritárias para o crescimento da Shell”, afirmou o presidente da Shell Brasil, André Araujo. “Nosso plano agora é conhecer melhor esta nova aquisição e conversar com nossos parceiros sobre a estratégia de trabalho. Estamos felizes porque ampliamos nosso portfólio sem abrir mão de nossa disciplina de capital”, acrescenta.

Há 105 anos no Brasil, a Shell foi a primeira empresa internacional de petróleo a produzir em escala comercial após o fim do monopólio estatal no fim dos anos 1990. A produção global da Shell em águas profundas iniciou-se há 40 anos e deve superar a marca de 900 mil barris diários até 2020, a partir de áreas já descobertas no Brasil, Golfo do México, Nigéria e Malásia. 

 

A Shell é pioneira em contratos de partilha de produção no Brasil. Em 2013, a companhia entrou no consórcio de Libra, liderado pela Petrobras e em 2017, arrematou três outros contratos de partilha de produção na Bacia de Santos.

Fonte: Ascom Shell

Comentários