Bimco

Setor naval reage e cresce 55% no último ano, diz Firjan

O Panorama Naval no Rio de Janeiro 2018, elaborado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), aponta sinais de melhora no setor em Niterói. Dados da Secretaria municipal de Fazenda contidos no documento, feito em parceria com entidades e empresas do mercado, mostram que houve um crescimento de 55% no faturamento declarado em 2017 em relação ao ano anterior, saltando de R$ 301,8 milhões em 2016 para R$ 467,2 milhões no ano passado.

O montante ainda é inferior ao declarado em 2013 (R$ 562,7 milhões), ano em que os reflexos da crise econômica se acentuaram, provocando o encerramento de contratos e o fechamento de estaleiros. O declínio nos anos seguintes só foi interrompido em 2017. De acordo com o presidente da Firjan Leste Fluminense, Luiz Césio Caetano, a performance pode se manter estável se o foco da indústria for ampliado para o setor de petróleo e gás.

— A indústria ligada apenas à construção naval não existe mais em Niterói. Os dois maiores estaleiros da cidade já não constroem. O Mauá só faz reparos, assim como o Brasa, que ainda dá apoio offshore. Em 2017, por exemplo, a Petrobras fechou contratos de manutenção de R$ 2 bilhões para as bacias de Campos e Santos, mas nada veio para Niterói. Falta competitividade devido ao alto de custo de produção, impostos, combustível, salários e encargos. É uma região que tem uma estrutura naval boa, mas ainda pouco competitiva — argumenta.

Publicidade
Catálogo da Indústria Marítima

 

A declaração de Caetano é atestada quando os números do faturamento do ano passado são destrinchados: as atividades de construções de embarcações de grande porte representam 2% do total. Já a manutenção e reparação de embarcações correspondem a 82%, uma média mensal de R$ 37 milhões, segundo o estudo. As outras atividades são administração da infraestrutura portuária (2%); e operações de terminais (10%); 4% representam agenciamento marítimo, serviços de praticagem e auxílio de transportes aquaviários.

O estudo destaca ainda que há um potencial de desenvolvimento para os próximos anos em Niterói, tendo em vista que as novas rodadas de leilões do pré-sal vão retomar um ciclo de produção e desenvolvimento que afetará diretamente a indústria niteroiense.

— Niterói pode aproveitar o know-how que ainda tem e direcioná-lo para o segmento de óleo e gás, investir na construções de tanques, de tubulações, reparo de embarcações e plataformas. Estamos elaborando sugestões que serão encaminhadas aos governos do estado e federal para impulsionar isso. Há expectativa de mudanças para o ano que vem, e esse documento mostrará nossos gargalos — diz Caetano, sem dar detalhes.

Analisando as movimentações no emprego formal em Niterói no ano passado, a partir do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, do Ministério do Trabalho, o estudo da Firjan mostra a notória importância do município para o setor: 11,5% de todos os empregados da indústria naval estavam em Niterói, deixando a cidade atrás apenas de Macaé e da capital.

Para o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Niterói e Itaboraí, Edson Rocha, o acordo firmado entre a Petrobras e a chinesa CNODC, uma subsidiária da petroleira CNPC, para concluir a refinaria do Comperj, é uma esperança para a abertura de mais vagas, já que a estatal também anunciou planos para concluir a construção da UPGN, a unidade de processamento de gás, cujas obras devem gerar 1.300 vagas ao longo do próximo ano.

— Quem, no momento, demanda a indústria naval é a área de óleo e gás. O governo, através da Petrobras, precisa focar nisso aqui na região. Claro que diminuir impostos (conforme consta no programa de incentivo da prefeitura) dará mais competitividade, mas não é só isso. Na China, por exemplo, o governo subsidia a indústria naval porque ela gera muito emprego, e o governo recolhe através disso. Em Niterói já construímos várias plataformas, navios, e isso precisa ser retomado — avalia Rocha.

Fonte: O Globo

Comentários

 

 

Reportagens da edição 702

Presença a bordo

08 Jul 2019 18:07 Navegação

Empresas pedem manutenção das vagas na formação para não faltar marítimos. Sindicato cobra equilíbrio entre oferta e demanda • O mercado de navegação no Brasil apresenta oferta de marítimos superior à...

Legal Seminar

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

Considerado o mais importante mercado “offshore” fora do Mar do Norte, o Brasil também atraiu a atenção de armadores noruegueses em evento paralelo • A primeira apresentação deu uma visão das...

Mercado de gás

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

As oportunidades no setor de gás no Brasil também foram debatidas no evento.  A superintendente de Oléo e Gás do estado do Rio de Janeiro, Cristina Pinho, deu um quadro...

Brasil na Nor-Shipping

08 Jul 2019 18:07 Indústria naval

Pela terceira vez o Brasil promove um seminário durante o evento • Se neste ano o clima do evento em geral já era mais leve que nas edições anteriores, no caso...

Cash Computadores

Assine Portos e Navios

Syndarma

OTC Brasil

Tche Digital

Assine Portos e Navios

Aapa

Abeam

Sobena

Sinaval Abratec