Diferentemente do que foi informado no primeiro parágrafo, a Petrobras vai desembolsar R$ 1,005 bilhão em bônus - e não R$ 945 milhões - pela participação nos três blocos arrematados hoje na 4ª Rodada do pré-sal. Segue a íntegra da nota corrigida.

Mesmo com um bloco sem receber propostas - o de Itaimbezinho - o montante arrecadado na 4ª Rodada de Licitação do Pré-sal somou R$ 3,15 bilhões, próximo dos R$ 3,2 bilhões previstos pelo governo. A Petrobras será a operadora dos três blocos arrematados (Três Marias, Dois Imãos e Uirapuru) e pagará R$ 1,005 bilhão em bônus. A estimativa de investimentos nos campos é de R$ 738 milhões.

Uirapuru

 

 O consórcio formado por Petrogal, Statoil e ExxonMobil apresentou a melhor oferta pela área de Uirapuru, o ativo mais caro do leilão, com bônus de R$ 2,65 bilhões. O excedente em óleo ofertado foi de 75,49%, ante os 72,45% apresentados pela Petrobras (45%), em parceria com a Total (20%) e a BP (35%). O ágio foi de 200,35%.

Como detém a preferência pela operação das áreas licitadas pelo regime de partilha, a Petrobras decidiu acompanhar a proposta e assumir a liderança do consórcio vencedor. A estatal assumirá 30% da sociedade, com Petrogal (14%), Statoil - (hoje Equinor - 28%) e Exxon (28%).

Esta foi a primeira vez num leilão de partilha que a Petrobras não apresentou a melhor proposta por um bloco em que tinha exercido o direito de preferência. Também apresentaram ofertas pela área outros dois consórcios: CNODC/CNOOC e QPI/Shell/Chevron.

Três Marias

E o mesmo ocorreu na disputa pela área Três Marias. A Petrobras não venceu, mas resolveu exercer o direito de preferência e acompanhou a proposta vencedora do consórcio integrado por Shell e Chevron. A brasileira assumirá 30% da sociedade, em parceria com Shell (40%) e Chevron (30%).

Na área, o excedente em óleo ofertado foi de 49,95%, ante os 18% apresentados pela estatal brasileira (40%), em parceria com a Total (30%) e BP (30%). O ágio oferecido foi de 500,36%.

O bloco de Três Marias localiza-se na Bacia de Santos, setor SS-AUP1. A área em oferta é de 821,45 quilômetros quadrados. O percentual mínimo de excedente em óleo era de 8,32%. O bônus obrigatório de assinatura é de R$ 100 milhões. A Petrobras desembolsará R$ 30 milhões.

Dois irmãos

Já a área Dois Irmãos, na Bacia de Campos, foi levada de primeira pela Petrobras (45%), em consórcio formado com Statoil (Equinor - 25%) e BP (30%). A oferta de excedente em óleo para o governo foi de 16,43%, sem ágio em relação ao percentual incluído no edital. O bônus de assinatura da área totaliza R$ 400 milhões.

O investimento previsto é de R$ 246 milhões, segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O consórcio liderado pela Petrobras foi o único a fazer proposta pela área.

A Total, que era parceira da Petrobras nas duas áreas em que a oferta da estatal foi menor, ficou de fora, pois a companhia brasileira aderiu ao consórcio vencedor. O campo de Itaimbezinho, que tinha bônus de R$ 50 milhões, não teve oferta, o que já era comentado antes do resultado.

Ao todo, 16 empresas haviam se inscrito para a 4ª rodada, número recorde para uma licitação sob o regime de partilha. Dentre elas, estavam a DEA Deutsche Erdoel AG e Petronas Carigali SDN BHD), que não têm contratos para exploração e produção de petróleo e gás natural no Brasil.

Fonte: Valor

Comentários