‘Ocean Stalwart’ - Cepemar apresenta navio mineraleiro

O Grupo Cepemar, que atua em soluções ambientais integradas acaba de apresentar o primeiro navio brasileiro de mineração submarina. Denominado Ocean Stalwart, a embarcação foi construída para uso exclusivo em levantamentos geofísicos, geológicos, ambientais, coletas de sedimentos e quaisquer outros levantamentos de dados meteo-oceanográficos em áreas costeiras e áreas oceânicas.

Segundo a companhia, o navio é dotado de sistemas e instrumentos que representam o estado da arte em levantamentos dessa natureza, permitindo a coleta, processamento e análise das amostras com padrões de qualidade e eficiência de programas científicos internacionais. “A chegada do Ocean Stalwart sinaliza o compromisso da Cepemar e seus acionistas de continuar investindo em ativos e serviços de alta tecnologia para nossos clientes. Esta é a primeira embarcação oceanográfica da Cepemar para levantamentos geofísicos em águas de até seis mil metros de profundidade”, afirma o presidente da Cepemar, Ronnie Vaz Moreira.

O Ocean Stalwart conta com espaço para laboratórios e preparação de amostras, um total de 207,5 metros quadrados de área coberta e protegida das intempéries. Desse total, 150 metros quadrados são áreas de laboratório internas com temperatura controlada. Com 69 metros, a embarcação tem capacidade de acomodar 45 pessoas entre tripulação, equipe técnica e convidados. Entre os setores que poderão utilizar as ferramentas para execução de futuros projetos no mar estão os de petróleo e gás, telecomunicações, energia e mineração.

Publicidade

Marintec Navalshore

 

Segundo a Agência Nacional do Petróleo, o Brasil deve triplicar até 2014 seu investimento anual em mineração submarina para procurar ouro e diamantes no fundo do oceano. No ano passado, foram liberados recursos do Programa de Aceleração do Crescimento para o início destas atividades. A previsão é que os recursos destinados a pesquisas de minerais no mar dobrem. Para Moreira, esta é uma fronteira de exploração econômica para o país em potencial. “Os recursos existentes no mar vão muito além dos hidrocarbonetos. Os estudos iniciais buscam avaliar o potencial econômico das áreas prospectadas e analisar a sensibilidade ambiental”, diz.

A estreia do Ocean Stalwart em águas brasileiras teve início no último dia 27 de fevereiro em parceria com a Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais do Serviço Geológico do Brasil (CPRM). O mapeamento do fundo do oceano de áreas do território brasileiro tem como objetivo identificar a existência de minérios.