Great Ocean

LabOceano - Dez anos desenvolvendo tecnologias

O Laboratório de Tecnologia Oceânica (LabOceano) da Coppe/UFRJ completa dez anos de atividades com muitos motivos para comemorar. Desde sua inauguração em abril de 2003, pelo então presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, o laboratório tem mantido plena atividade. Até fevereiro de 2013, o LabOceano realizou cerca de 100 ensaios e testes, que resultaram em inovações tecnológicas e confiabilidade aos equipamentos e estruturas voltados para os setores naval e petrolífero e atividades offshore. Para celebrar sua primeira década, o LabOceano promoveu no final de abril um seminário internacional com 20 especialistas palestrantes, nacionais e estrangeiros. O evento contou com a participarão 200 pesquisadores e profissionais da área offshore dos cinco continentes.

Primeiro prédio a ocupar o Parque Tecnológico da UFRJ, o LabOceano possui o tanque de testes mais profundo do mundo, com 40 metros de comprimento, 30 metros de largura, 15 metros de profundidade e mais 10 metros adicionais em seu poço central. Com 23 milhões de litros de água doce e altura correspondente a um prédio de oito andares, o tanque oceânico da Coppe é capaz de reproduzir as principais características do meio ambiente marinho e simular fenômenos que ocorrem em lâminas d’água superiores a dois mil metros de profundidade.

De acordo com o professor Paulo de Tarso Esperança, coordenador do LabOceano e professor do Programa de Engenharia Oceânica da Coppe, o objetivo dos testes a serem realizados no laboratório é estudar o comportamento no mar de um sistema para geração de energia elétrica, a partir do gradiente térmico existente entre a superfície e o fundo mar. “Nas zonas tropicais e subtropicais, o gradiente térmico entre a superfície e o fundo do mar pode atingir cerca de 20ºC. Essa diferença de temperatura possibilita a geração de energia elétrica, por meio da utilização de princípios similares aos de um ciclo termodinâmico fechado”, explica o professor da Coppe.

Outro trabalho inovador que vem sendo realizado no laboratório da Coppe é o desenvolvimento de um simulador de manobras para operações de isolamento e recolhimento de óleo no mar, no caso de derramamento. Trata-se de uma operação minuciosa, em que duas embarcações conduzem uma barreira de contenção, cuja finalidade é impedir o espalhamento do óleo. Paulo de Tarso explica que até mesmo a velocidade de cada uma das embarcações pode interferir no resultado da missão, caso uma não esteja sincronizada com a outra. Isso pode provocar, entre outros acidentes, a ruptura do material utilizado como barreira. A etapa seguinte da operação é a aspiração do óleo por meio de equipamentos denominados skimmers.


Rimac


A finalidade do simulador é treinar as tripulações das embarcações envolvidas nesse tipo de operação. Hoje, eles só aprendem na prática, o que pode gerar custos e situações de riscos. “A ferramenta computacional está sendo certificada a partir de informações obtidas em testes no mar e podemos acrescentar, quando necessário, resultados obtidos em ensaios realizados no tanque oceânico em embarcações com escala reduzida”, explica Paulo de Tarso.

A intensificação das atividades de exploração de óleo e gás nas camadas geológicas do pré-sal traz muitos desafios tecnológicos e tem atraído grandes investimentos. Há uma previsão de construção, instalação e operação de inúmeros sistemas offshore, envolvendo as mais diversas tecnologias. Mas, antes de sua construção, esses sistemas precisam confirmar sua viabilidade técnica.

Priner     Terlogs     Mampaey     AAPA
             

Tche Digital

 

 

Sinaval

 

  Sinaval   Assine Portos e Navios