Ecobrasil 2019

Construção de balsas gaseiras pode abrir portas do estaleiro Rio Maguari para exportação

O Estaleiro Rio Maguari (ERM) acredita que a construção de comboios movidos a gás natural liquefeito (GNL) abrirá as portas para venda de modelos semelhantes para outros países num futuro não muito distante. O projeto logístico para transporte e distribuição de GNL na região Norte, idealizado pela Amazonica Energy, prevê a construção de 20 barcaças e cinco ou seis empurradores na primeira fase. O objetivo é construir as unidades a partir de 2020. Cada um desses empurradores terá potência de aproximadamente 4.200 HPs e cada balsa carregará 1.200 metros cúbicos de gás. 

O estaleiro observa o desenvolvimento mundial da propulsão a GNL em diversos tipos de embarcações em função das vantagens econômicas e ecológicas, já que o gás é considerado menos poluente que o diesel, por exemplo. "O fato de termos a oportunidade de participar deste projeto pioneiro certamente abrirá portas para o mercado externo, o que certamente é de nosso interesse", afirmou a Portos e Navios o diretor comercial do estaleiro, Fabio Vasconcellos.

Para Vasconcellos, o maior desafio técnico desse projeto encontra-se na armazenagem, carga e descarga do GNL nas barcaças. "As barcaças em si são bem semelhantes às que normalmente construímos, mas as peculiaridades do sistema de GNL são a novidade", explica o diretor do estaleiro. Ele diz que as parcerias estabelecidas pela Amazonica Energy com empresas internacionais experientes nessa área como a projetista candadense Robert Allan, a MTU (motores) e Rolls-Royce (propulsão) permitirão o entendimento e absorção dessa tecnologia, inclusive para os empurradores, que serão 100% movidos a GNL.

O ERM atribui a participação nesse projeto ao fato de ter sido o estaleiro brasileiro com o maior número de embarcações construídas e entregues nos últimos anos, com índice de pontualidade alto, sobretudo no mercado de comboios fluviais. "A escolha do ERM é fruto da credibilidade alcançada principalmente pelo desempenho que tivemos nos últimos 10 anos, atingindo a liderança no mercado de construção naval, não apenas fluvial, mas nacional", ressaltou Vasconcellos. 

O estaleiro entrega média de seis a oito barcaças graneleiras por mês. Como as barcaças para GNL têm índice de complexidade maior, a estimativa é entregar entre quatro e seis por mês, dependendo da configuração final do projeto que está sendo concebido. Desde 2013, o ERM entregou em torno de 300 barcaças, entre 2000 e 5000 TPB, e 20 empurradores, entre 1200 e 6000 HP. Entre os principais clientes no portfólio do estaleiro nesses últimos anos, estão: Hidrovias do Brasil, Grupo Amaggi, Cargill, Louis Dreyfus Company (LDC), Transdourada, Cia de Navegação da Amazônia, Vale, Locar, Transdata, Martin Leme, Reicon e Odebrecht.

Publicidade
Ecobrasil 2019

 

Leia também:
Projeto prevê construção de comboios movidos a GNL na região Norte

Por Danilo Oliveira
(Da Redação)

Comentários

Cash Computadores

Messe Munchen
Oceanpact
Consórcio Águas Azuis

ABTP

Brasil Offshore

Tche Digital

TMSA

Antaq

Porto do Itaqui

Sobena

Fenavega Abratec

 

Bombando

Error: No articles to display