Abimaq quer conteúdo local agrupado em categorias separadas de bens e serviços. Entidade atua por mudanças no Congresso
• A Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) voltou a defender a separação dos índices de conteúdo local para bens e para serviços nos segmentos poços e subsea. A proposta atual da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) definiu percentuais de conteúdo local da seguinte forma: 25% para construção de poços; 40% no subsea (coleta e escoamento); e 40% para unidades estacionárias de produção (UEP). “Gostaríamos que fossem os mesmos percentuais separando bens e serviços”, comentou o presidente-executivo da entidade, José Velloso Dias Cardoso, durante evento no Rio de Janeiro.