A BP juntou-se a seus concorrentes para apresentar um forte desempenho em 2018, dobrando os lucros impulsionada pelo crescimento na produção de petróleo e gás após uma grande aquisição de “shale” nos EUA.

A utilização recorde de seus campos de petróleo e gás e de sua capacidade de refino também ajudaram a BP a selar o que foi um ano transformador, superando o desastre mortal da Deepwater Horizon em 2010.

Mas embora a receita da empresa listada em Londres tenha superado previsões, a dívida subiu e o ritmo de seu esquema de recompra de ações desacelerou no último trimestre depois de ela ter pago a primeira e maior tranche de uma aquisição de ativos da BHP que envolveu um total de 10,5 bilhões de dólares.

 

“Agora temos um histórico poderoso de desempenho seguro e confiável, execução eficiente e disciplina de capital. E estamos fazendo isso enquanto expandimos os negócios”, disse o presidente-executivo da BP, Bob Dudley, em comunicado nesta terça-feira.

No ano completo de 2018, o lucro da BP subiu para uma máxima em cinco anos de 12,7 bilhões de dólares, o dobro dos 6,17 bilhões do ano anterior e acima das expectativas de analistas, de 11,88 bilhões.

A produção subiu para 3,7 milhões de barris de óleo equivalente por dia em 2018, depois que a BP concluiu a aquisição do portfólio de “shale” onshore nos EUA da BHP e graças ao início de novos campos, incluindo o projeto Clair Ridge no Mar do Norte, de 120 mil barris por dia.

Excluída a fatia da empresa na produção da russa Rosneft, onde ela possui uma fatia de 20 por cento, a produção da BP subiu 8,2 por cento frente a 2017.

A dívida líquida estava em 44,1 bilhões no final do ano passado.

Fonte: Reuters

Comentários

Datamar

Schottel

Assine Portos e Navios



Pesa

ABTP

Envie uma pauta

Antaq

TMSA

Assine Portos e Navios

ABTP

Sobena

Fenavega Abratec

 

Ecobrasil