A quarta edição do Boletim Bimestral sobre Investimentos Chineses no Brasil, divulgado nesta quarta-feira pela Secretaria de Assuntos Internacionais (Seain) do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, mostram que, no segundo bimestre de 2018, foram divulgados seis projetos de investimentos chineses no Brasil. Desses, três tiveram os valores informados, somando US$ 992,7 milhões. 

Entre os negócios anunciados estão a compra pela PetroChina, braço para expansão internacional da CNPC, de 30% da TT Work, distribuidora de combustíveis com sede em Recife, cujo valor não foi revelado.

No período, a companhia chinesa de eletrodomésticos Midea anunciou o lançamento de uma plataforma de comércio eletrônico para vender diretamente produtos da sua linha residencial, com investimento de US$ 900 mil, no Brasil.

 

Em outra operação, o grupo chinês Glory Top, de Hong Kong, arrematou por cerca de US$ 391,8 milhões cinco instituições de ensino superior leiloadas para pagar dívidas trabalhistas do Grupo Ulbra.

Além disso, um consórcio com participação da chinesa Shandong Kerui Petroleum venceu licitação promovida pela Petrobras para implantação de Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN) no Comperj, em Itaboraí (RJ), com aporte previsto de cerca de US$ 600 milhões.

Em Curitiba, foi inaugurada a segunda loja física no Brasil da DJI, empresa chinesa de drones. E em Sorocaba (SP), anunciada a aquisição de parte da IPPG Brasil, com sede em Sorocaba (SP), pela YDF Valves, empresa chinesa de fabricação de válvulas.

Com os montantes do segundo bimestre, os investimentos chineses confirmados no Brasil somam US$ 1,34 bilhão de janeiro a abril, acima dos US$ 3,6 milhões de igual período de 2017. Desde 2003, os investimentos chineses confirmados chegam a US$ 55,4 bilhões, em 102 projetos.

Fonte: Valor