As exportações do Brasil poderão aumentar US$ 10,5 bilhões para os Estados Unidos e a China, se as duas maiores economias do mundo ampliarem a guerra comercial, segundo estudo da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad).

A organização prevê que cerca de 80% do ganho do Brasil será em exportações adicionais para o mercado americano, aproveitando o entrave levantado contra a entrada de produtos chineses. Ou seja, o ganho é bem maior do que na venda de soja para a China.

O presidente Donald Trump já advertiu que, se não chegar a um acordo com seu colega chinês Xi Jinping, nas próximas semanas, Washington aumentará de 10% para 25% as alíquotas adicionais sobre US$ 200 bilhões de importações originárias da China. A expectativa é que Pequim reaja no mesmo nível.

 

Nesse cenário, a guerra comercial vai decididamente impactar os fluxos comerciais bem mais do que até agora. O estudo da Unctad conclui que o aumento de alíquotas não é muito efetivo na proteção das companhias nacionais, mas realmente provoca desvio no fluxo comercial.

Na prática, os maiores perdedores são os que estão em guerra. A Conferência da ONU estima que os efeitos das sobretaxas entre EUA e China reduzem o fluxo bilateral e causam a substituição por fornecedores de outros países.

A Unctad estima que de US$ 200 bilhões de exportações chinesas sujeitas a sobretaxa nos EUA, cerca de 82% serão “capturados” por companhias de outros países, apenas 12% continuarão em mãos de firmas chinesas e 6% vão para empresas americanas. Segundo a agência da ONU, os resultados são consistentes em diferentes setores, desde maquinários a produtos de madeira, móveis, equipamentos de comunicação, químicos, instrumentos de precisão.

Da mesma forma, de US$ 85 bilhões de exportações americanas sujeitas a sobretaxa na China, cerca de 85% serão capturados por empresas de outros países, as americanas vão reter menos de 10% e as chinesas podem ficar com fatia de 5%.

“A razão é simples: tarifas bilaterais alteram a concorrência global com vantagem de empresas operando em países não diretamente afetadas por elas”, diz a Unctad. “Isso será refletido nas importações e exportações em torno do globo”.

A estimativa é que o Brasil poderá ganhar exportações de US$ 8,5 bilhões para os EUA, com a aumento de vendas sobretudo de maquinários e metais que a China não conseguiria mais vender nos EUA por causa de sobretaxa de 25%, se aplicada realmente.

Além disso, o Brasil poderá ganhar mais US$ 2 bilhões no comércio com a China com a imposição de sobretaxa por Pequim contra os americanos, com mais vendas de produtos agrícolas e mesmo de químicos para o mercado chinês, por exemplo.

Soja 

O Brasil mantém altos níveis de venda de soja, como já ocorre. Mas a Unctad diz que, mesmo se um país como o Brasil pode parecer ganhador na guerra comercial, os resultados nem sempre são positivos. Exemplifica que setores que utilizam a soja no Brasil como insumo perdem competitividade por causa de preços mais altos provocados pela maior demanda chinesa pela commodity.

UE

Para a conferência da ONU, a União Europeia (UE) sairá como principal ganhador das tensões EUA-China. Exportações europeias podem “capturar” US$ 70 bilhões do comércio entre os dois gigantes, sendo US$ 50 bilhões do que a China deixaria de vender para os EUA e US$ 20 bilhões do que os EUA deixariam de vender para a China. O México ganharia US$ 27 bilhões graças à relação próxima com os EUA. A Argentina mais US$ 2 bilhões. 

Donald Trump disse, no fim de semana, que um encontro com Xi Jinping pode resultar num acordo de paz, dependendo das concessões que Pequim fará. Ele se entusiasmou com a promessa chinesa de comprar cinco milhões de toneladas a mais de soja. Mas a American Farm Bureau nota que, em ano normal, os EUA exportavam 35 milhões de toneladas do produto para a China, de forma que a aparente concessão chinesa não é tão robusta como Trump quer crer.

A Unctad insiste nos riscos que a guerra comercial causa numa economia global frágil. Diz que uma desaceleração da atividade causa distúrbio nos preços de commodities, mercados financeiros e no câmbio, com repercussões importantes sobre países em desenvolvimento.

Persistem também os temores de mais protecionismo. A guerra EUA-China também afeta as cadeias de valor. Por exemplo, os altos volumes de exportações chinesas atingidas por sobretaxas nos EUA acabam por atingir o comércio na Ásia do Leste.

Fonte: Valor

Comentários

Datamar

Schottel

Assine Portos e Navios



Pesa

ABTP

Envie uma pauta

Antaq

TMSA

Assine Portos e Navios

ABTP

Sobena

Fenavega Abratec

 

Ecobrasil