Chuvas previstas para os próximos dias em áreas produtoras de soja no Brasil tendem a segurar ainda mais o ritmo de colheita da safra 2018/19 após um início acelerado pelo tempo seco, enquanto elevam o risco de grãos avariados por causa da umidade elevada, disseram especialistas.

Embora até o momento os impactos sejam residuais, problemas decorrentes das precipitações em excesso, sobretudo no que tange à qualidade da soja, poderiam potencialmente adicionar mais pressão a um ciclo já reduzido em tamanho após a estiagem entre dezembro e janeiro.

O aguaceiro poderia ainda complicar a situação na BR-163, rodovia que liga áreas produtoras de Mato Grosso a portos do Arco Norte e que está com o fluxo parcialmente interrompido nesta semana em razão de lamaçais formados pelas chuvas.

 

“(Com chuva) na época da colheita, sempre existe preocupação, pois é a época de maior vulnerabilidade... O que pode ocasionar, a depender do volume (de chuvas), é o ‘ardido’...”, afirmou o engenheiro agrônomo e analista da Organização de Cooperativas do Paraná (Ocepar), Jhony Möller, referindo-se ao grão que recebe muita umidade e entra em fermentação.

Dados do Agriculture Weather Dashboard, do Refinitiv Eikon, mostram que nas duas próximas semanas as precipitações ficarão acima da média no Paraná, no Rio Grande do Sul, em partes do Centro-Oeste e no Matopiba, fronteira agrícola composta por Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia.

Rio Grande do Sul e Estados do Matopiba ainda têm boa parte da soja para ser colhida, e estariam mais vulneráveis aos riscos de chuvas excessivas, uma vez que mais da metade da área plantada no Brasil já foi retirada do campo.

Os trabalhos de colheita vêm perdendo ritmo por causa das chuvas nas últimas, conforme consultorias.

Na maior parte das regiões produtoras, as chuvas devem superar os 100 milímetros, sendo que em alguns casos podem quase alcançar 200 milímetros, até o dia 22 de março.

Segundo Möller, até o momento não houve nenhum relato de soja avariada pelo excesso de água no Paraná, sendo que as atenções se voltam para a chuvarada a partir da próxima semana, “que pode causar paralisação de colheita”.

Na mesma linha, a analista Alaíde Ziemmer, da AgRural, comentou que na porção norte do Estado produtores começam a se preocupar com a “soja pronta” nas lavouras e que não pode ser colhida dadas as chuvas constantes.

“Esta semana já foi chuvosa, a anterior também... Então o produtor está entrando nos intervalos, quando o tempo firma... Essa chuva preocupa ao se ter soja dessecada no campo e não se conseguir entrar com a máquina”, afirmou.

No início da semana, a consultoria já havia destacado em boletim que, “por conta das chuvas, lotes (de soja) têm chegado aos armazéns com umidade entre 18 e 22 por cento em alguns Estados, mas os casos de grãos avariados ainda são pontuais”.

Grãos com umidade elevada, geralmente acima dos 20 por cento, aumentam os custos para secagem, acarretando em descontos para os produtores.

Em Mato Grosso, no entanto, a situação é diferente.

“Tem muito pouca soja para ser colhida (no Estado), a grande maioria (dos produtores) já encerrou a colheita... A perda que pode existir foi pela falta de chuva durante o período de dezembro e janeiro. Por esse excesso (de chuva) não vejo perda de produção”, afirmou o presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), Antônio Galvan.

Maior exportador global de soja, o Brasil plantou cerca de 36 milhões de hectares com a oleaginosa em 2018/19 e deve produzir algo em torno de 115 milhões de toneladas, segundo dados do governo.

Fonte: Reuters

Comentários

Schottel

Messe Munchen

Consulado Geral dos Paises Baixos

Syndarma

ABTP

Envie uma pauta

Tche Digital

TMSA

Assine Portos e Navios

ABTP

Sobena

Fenavega Abratec

 

Ecobrasil